Você consegue ROUBAR DE DEUS? (Malaquias #6)

Sexto sermão da série Malaquias – Viver Por Um Legado, pregado pelo pastor Jackson Jacques, na igreja Vintage180, dia 10 de dezembro de 2017.

Download PDF

Você consegue ROUBAR DE DEUS? (Malaquias #6)

Bom dia! Bom dia, pessoal! Como vocês estão? Felizes? Felizes com Jesus? Deus é bom e o diabo não presta. Pessoal, eu estou muito feliz; nós estamos em mais um culto aqui. Pessoal, nós estamos em uma série em Malaquias e nós estamos no penúltimo sermão. A gente está no “apagar das luzes” aqui de Malaquias. Malaquias, capítulo 3. Meu nome é Jackson. Quem está visitando a gente pela primeira vez, meu nome é Jackson, ou para os íntimos, Jack; eu sou um dos pastores desta igreja.

Eu já avisei na Cavalo Branco, agora se você não tem internet, não tem whattsap, Ah! não sei. “Lá em casa a gente se comunica por pombo correio”. Daí, talvez você não saiba das últimas; está igual os caras do caminho de Emaús, pensa que Jesus está morto, não ressuscitou; o cara está chorando ainda, o cara só está com o jornal de sexta-feira, entendeu? O cara não leu à Zero Hora Dominical, na Dominical estava:

“Ressuscitou!”.  O cara estava com o jornal de sexta. Sabe o Metro? Só dá até sexta-feira, daí claro! Então, eu avisei na Cavalo Branco, e quero falar aqui no púlpito, que a minha mulher está grávida, vou ser pai! Isto! Isto! Estou muito feliz. Já estou desesperado pensando em fralda, pensando em negócio, pensando em comprar fraldas. Tenho que ir para uma casa com um quarto a mais, ou dois para receber as pessoas. Eu estou desesperado, entendeu? Vem vindo um filho aí. Eu nunca tive filho.  Então, quero conversar com os pais aí depois para ouvir a experiência do pessoal.

Gente, então, hoje é o texto fatídico de Malaquias. Quando fala em Malaquias, a pessoa já se lembra de Malaquias 3 (três). É ou, não é? Fala assim: – Nós vamos começar uma série em Malaquias. Os caras já falam: – O Jackson vai pregar 5 “sermãozinhos” para no 6º ele ‘arregaçar’ falando de dízimo.

Gente, eu vou falar a verdade, eu nunca curti muito Malaquias Capitulo 3, eu nunca gostei muito deste texto. “Mas é a palavra do Senhor, Jackson!”. Sim! Eu, não gostava quieto sabe; eu não falava muito, porque eu não gostava.

Primeiro que, quando o cara vem de uma igreja neo-pentecostal, este texto é o texto que os caras mais falam. É o texto mais comentado na igreja. Então, às vezes a pessoa não aguenta mais, já decorou Malaquias 3 (três). Porque, assim, me deixa explicar uma coisa; dependendo da linha histórica que você vier, da tradição teológica que você vem, têm os textos que estás mais familiarizado, vou dar um exemplo, se você vem de uma igreja reformada, então estas familiarizado com Romanos, a bíblia dos reformados só tem Romanos, se tu vens de uma igreja Pentecostal, só sabem Atos, Atos 2 então e Joel 2, em todos os cultos eles repetem, – e há de ser que nos últimos dias diz Deus derramarei do Espírito sobre toda a carne, vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão visões, vossos jovens terão sonhos, eu sei de cor este texto, e não é de tanto ler Joel, eu não posso dizer que sou um leitor enlouquecido de Joel, é que venho de um movimento pentecostal e as pessoas conhecem muito de Joel 2 e Atos 2.

Agora se você vem de uma igreja mais pratica uma igreja mais empresarial, tem algumas igrejas assim, alguma coisa da Fé, aqui em Porto Alegre, eles são bem práticos, eles usam muito Provérbios, então depende de cada igreja. Eu não estou falando aqui mal destas igrejas. E as igrejas neo-pentecostais Malaquias 3 é o texto preferido deles. Mas eu não gostava, e depois que eu vim para o movimento reformado, aí que eu não gostei mesmo. Porque quando é tu viu um pastor reformado pregando Malaquias 3? Tu nunca viste Nicodemus pregando Malaquias 3, não, tu não viste… Calvino até comentou, mas a Editora Fiel nem lançou o comentário de Calvino em Malaquias porque não iria vender.

Então eu não gostava, e eu sempre tive um relacionamento complicado com este texto, e você já teve? Como é o seu relacionamento com Malaquias 3? Tragam todos os dízimos a casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa diz o Senhor, onde vocês têm me roubado? Nos dízimos e nas ofertas. Qual o teu relacionamento com este capitulo? Como você age mediante a isto, quer fugir do assunto? Não importa qual a tradição teológica que você venha ou vai. A gente pode imaginar as tradições teológicas, – C.S.Lewis, no livro Cristianismo Puro e Simples, ele diz que as tradições teológicas, elas são como os quartos de uma casa, e o cristianismo básico, é como o saguão, nos encontramos no saguão, nós conversamos no saguão, imagina o saguão de uma casa enorme, com uma sala enorme, nós chegamos ali, conversamos uns com os outros, só que nós precisamos ir pros quartos, o meu conselho aqui, é que não devemos ir a apenas um quarto, imagina cada quarto como sendo um texto bíblico, nós precisamos explorar outros quartos da escritura, e não ficar só em Romanos-.

Querendo ou não, Malaquias 3, é palavra de Deus. É bíblia. É escritura.

E a gente precisa se debruçar sobre isto. Então vamos à leitura.

Malaquias 3,6-18.

6 Pois eu, o SENHOR, não mudo; por isso, vós, ó filhos de Jacó, não sois destruídos.

 

Advertência contra o roubo a Deus

7 Desde os dias de vossos pais vos desviastes dos meus decretos e não os guardastes. Voltai para mim, e me voltarei para vós, diz o SENHOR dos Exércitos. Mas perguntais: Como devemos voltar?

8 Pode um homem roubar a Deus? Todavia vós me roubais, e ainda perguntais: Como te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas.

9 Estais debaixo de grande maldição, pois me roubais; a nação toda me rouba.

10 Trazei todos os dízimos ao tesouro do templo, para que haja mantimento na minha casa, e provai-me nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, e vede se não abrirei as janelas do céu e não derramarei sobre vós tantas bênçãos, que não conseguireis guardá-las.

11 Por vossa causa também repreenderei a praga devoradora, e ela não destruirá os frutos da vossa terra, nem as vossas videiras no campo perderão o seu fruto, diz o SENHOR dos Exércitos. (Isto aqui, provavelmente são gafanhotos, pra mim não quatro tipos de gafanhotos, pra mim, isso é balela, ou migrador, devorador, lá em Ageu).

12 E todas as nações vos chamarão bem-aventurados; pois a vossa terra será aprazível, diz o SENHOR dos Exércitos.

13 As vossas palavras foram hostis contra mim, diz o SENHOR. Mas perguntais: O que falamos contra ti?

Vocês já notaram isso, né? Que as palavras desses caras estão ofendendo Deus né? “mas perguntais: o que falamos contra ti?” os caras são umas ‘pragas do demônio’, os ‘satanás’, esses caras aqui né?! Ainda bem que nós não somos assim.

14 Falastes que é inútil servir a Deus, que vantagem tivemos em guardar os seus preceitos e por termos lamentado diante do Senhor dos Exércitos?”.

Verso 15: “pois agora consideramos felizes os orgulhosos, os que cometem maldades prosperam, eles desafiam a Deus e escapam ilesos.

16 Então, aqueles que temiam o Senhor falaram uns com os outros e o Senhor os ouviu com atenção e diante deles, escreveu um memorial para os que temiam o Senhor para os que honravam o seu nome”.

Verso 17: E naquele dia que prepararei, eles serão meus, diz o Senhor dos Exércitos, minha propriedade exclusiva; terei compaixão deles como um homem tem compaixão de seu filho que o serve.

18 Então vereis outra vez a diferença entre o justo e o mal, entre o que serve a Deus e o que não o serve.

Palavra de Deus! Esse texto aqui é brutal! Malaquias é muito explícito. Bom, esse aqui é o texto preferido da teologia da prosperidade. Teologia da Prosperidade: você dá para ganhar; você paga na igreja. A igreja é o local onde as pessoas dão o dinheiro, é o depósito do templo do Antigo Testamento. As pessoas dão para ganhar alguma coisa. O foco das pessoas não é Deus, o foco das pessoas são as coisas. Esse é o ensino da Teologia da Prosperidade. Só que a Bíblia é o contrário. A Bíblia diz, o contexto bíblico sobre finanças basicamente é: se nós amamos a Deus, nós usamos o dinheiro. O inverso disso é: se eu amo o dinheiro eu uso Deus, que é o que a Teologia da Prosperidade ensina. É basicamente isso: vão usar Deus para obter mais dinheiro. Primeira coisa que fica no verso 6 que a gente leu, Deus está dizendo: “pois eu o Senhor não mudo, por isso vós, ó filhos de Jacó, não sois destruídos”, antes de Deus falar de dinheiro, antes de Deus falar das nossas riquezas, antes de Deus falar das nossas posses, das nossas generosidades, Deus fala dele mesmo. Isso a gente não pode perder de vista. O foco do texto não é primeiramente o dinheiro, o foco do texto é Deus. O foco da Escritura é o Senhor. E aqui nós, quem já estudou um pouquinho de teologia sistemática sabe, que esse é um dos textos bases para imutabilidade de Deus. Você deve ter lido isso no livro de ‘São Grudem’, o capítulo, quando fala lá no começo, sobre imutabilidade de Deus. Deus é imutável, Deus não pode ficar (eu vou usar esse termo aqui tá?) ‘mais bom’, Deus não pode mudar. Se Deus mudasse nós não teríamos segurança nenhuma. O Grudem vai fazer um argumento simples, eu sempre pensei isso cara, que bom que Deus não muda, porque se Deus mudasse… digamos que daqui a um milhão de anos ele se tornasse um Deus tirano, mau, ruim. Deus é imutável, e isso é segurança para nós. Ele tem um amor eterno por nós; se Ele nos ama hoje, ele vai sempre nos amar. Isso é fantástico! E a Bíblia, ela usa uma linguagem pra Deus, que é a linguagem do vaso e do oleiro, vocês sabem disso aí em Jeremias, né? Deus é o oleiro que trabalha, Paulo vai pregar com essa linguagem lá em Romanos também, que Deus é o oleiro, Deus trabalha na gente. O que acontece aqui em Malaquias é que eles querem trabalhar em Deus, eles querem mudar Deus, eles querem transformar Deus, eles querem moldar Deus, mas é Deus quem nos deve moldar, e Deus trabalha em nossas vidas. Deus vai falar de forma prática com eles aqui, sabe por que, pessoal? Sabe por que eu passei a amar esse texto? Porque nós amamos teoria, principalmente quem é novo, como nós aqui. A gente é mais novo, então, principalmente quando vai falar com uma pessoa mais velhas, a pessoa mais velha ela chega: “que que é isso?” A pessoa mais velha quer saber coisa mais prática, nós gostamos de teoria, a gente gosta de teorizar as coisas, “não mas é isso, beleza”. Deus vai dizer, ‘ok! Vamos para prática agora, vamos analisar as finanças de vocês’, Deus vai falar de forma prática e analisar as finanças deles. Imagina só, Deus fazendo uma reunião contigo, ‘beleza! Quero ver teus gastos aqui’. Se já é complicado fazer com a esposa (eu não sei quem é casado), você ama fazer isso com sua mulher? A minha mulher gosta de contar tudo, cara, se eu comprei uma bala eu tenho que contar para minha mulher que eu comprei uma bala, vocês não têm noção! Não, vocês não têm noção. Lá em casa, se eu comer no MC Donalds, e não contar para minha mulher, é igual a adultério. Se eu chegar em casa e tiver um cheiro de chocolate na minha boca, ela não vai ficar: “aí, me dá um beijinho com gosto de chocolate”, ela vai querer me dar um soco! Agora, é Deus que vai sentar com os caras, ‘deixa eu ver tuas finanças, abre o programa no computador vamos dar uma analisada aí. Vamos analisar os gastos esse ano, vamos analisar’. Imagina você agora no final do ano, Deus pegar e sentar com a gente para analisar todos os gastos do ano, ‘eu quero ver o quanto tu gastou em hobby, eu quero ver o quanto tu gastou em comida, coisas supérfluas; eu quero ver o quanto tu gastou em roupa, quero ver o quanto tu gastou com isso, com aquilo, com teu pet, quanto tu gastou aqui, ali, quanto tu gastou com teu carro, quero ver quanto que tu ofertou, quando ajudou algum pobre esse ano, qual foi a pessoa pobre que tu ajudou esse ano, eu quero ver quanto tu gastou com um irmão teu, vamos conversar aqui’. E eu quando era criança eu queria que esses assuntos com o meu pai, eles fossem rápidos, e meu pai ficava falando umas seis horas assim, até gastar. Tá! E eu queria sair. É o que Deus está fazendo com eles aqui. Esses caras estão roubando Deus em 3 áreas e eu vou me deter muito na primeira área aqui e eu vou tentar ser rápido porque eu tenho muita coisa para falar aqui, eu vou me esforçar para ser muito rápido aqui com vocês. Em primeiro lugar, eles estão roubando a Deus. A primeira área em que eles estão roubando é ‘a Deus’, e nós temos a tendência no que envolve dinheiro, (nós somos extremistas pra caramba) ou sermos negligentes, ou seja, que nem esses caras aqui: “não, afinal de contas a situação política está complicada, estamos sem dinheiro”, a primeira coisa que eles vão cortar é o quê? A oferta! Eles vão parar de ofertar. Se vocês estivessem no período de Malaquias, vocês iam entender os caras, os caras estão sem grana, os caras estão sem dinheiro, os caras estão voltando para terra deles, está difícil. Olha, está bem mais complicado aqui do que no Brasil. A primeira coisa que vão parar de fazer é ofertar, então, ou nós vamos ser negligentes. Ou então, o outro extremo são os fariseus, são aqueles caras que eles são certinhos no dízimo, mas eles são hipócritas, eles são nojentos, eles negam o principal da Lei que é o amor e não o dízimo, não a oferta. Deus vai fazer uma pergunta para eles e eles vão devolver com uma outra pergunta. Eles estão fugindo, é o que gente não arrependida faz. Sempre que você chegar para uma pessoa e apertar ela em alguma coisa, e ela disser: ‘tá, mas me responde isso aqui’, ela não está arrependida. É o que está acontecendo. Deus pergunta: pode o homem roubar a Deus? Todavia vós me roubais e ainda perguntais: mas onde nós te roubamos? Deus está dizendo: ‘Vocês roubaram! Vocês me roubaram!’, e em vez de dizer ‘Meu Deus me perdoa, perdão!’ a primeira coisa que dizem é: ‘mas como assim?’, é o que gente não arrependida faz. Esses caras não estão arrependidos. Então assim, antes de entrar aqui eu quero explicar porque isso envolve Teologia da Prosperidade e eu quero falar o lado bom da Teologia da Prosperidade. Eu não sou o primeiro a fazer isso tá? Tem vários pastores reformados que já fizeram isso. fica tranquilo eu não estou me enveredando, aí agora, vou chegar com um terno branco aqui, cabelo com laqué, fica tranquilo, fica tranquilo, não vou fazer isso, tá? Então, o lado bom da teologia da prosperidade, o que eu admiro nos caras, primeiro, eles tocam no assunto finanças, eles não são “cagão”. Me lembro, pilotando igreja em 2013, que eu ficava: “ai! como fazer na hora da oferta?”, “ai! vocês desculpam falar em dinheiro tá, gente? Eu só faltava apertar a mão de todo mundo assim (gestos): “ai! me desculpa por falar em dinheiro”. Os caras da Teologia da Prosperidade não estão nem aí. Eles falam. Os reformados não querem falar de Malaquias 3 (três). ‘Negão’, eu admiro. Eles falam de Malaquias 3, eu admiro isso nos caras. Então, eles falam de dinheiro. Outra coisa que os caras não são, tu pode falar o que quiser dos caras da Teologia da Prosperidade, mas uma coisa tu não pode dizer: que eles são covardes. Covardes os caras não são. Outra coisa, eles não ficam preocupados com o que as pessoas vão pensar, não. Se tem uma coisa que eles não estão nem aí, é para o que as pessoas vão pensar deles. Eles não estão nem aí para a opinião pública. Uma outra coisa, a Teologia da Prosperidade ela tem a tendência a, querendo ou não, trazer uma mente positiva para as pessoas.

As vezes nós reformados, que estamos naquela pegada, tipo: – Não olha só eu sou totalmente depravado… Beleza, acredita nisso, mas o cara leva isso para uma entrevista de emprego. E o cara da teoria da prosperidade, diz: – Não vai lá, em nome de Jesus vai dar. Os caras têm confiança, coragem, os caras têm a tendência de não desistir, a querer a mediocridade, são coisas boas. Que quando “biblificadas”, que quando não supervalorizadas tem o seu lugar na existência humana. Nós não deveríamos ter medo dos homens e nem de seus pensamentos. Muitos pastores de verdade deixam de falar do ídolo dinheiro. Dinheiro é um ídolo. Vou dar um exemplo para vocês: Eu posso muito bem chegar no Johnny: Johnny, seguinte eu estou notando uma coisa na tua vida, estou notando que isso aqui está se tornando um ídolo na tua vida. Ismael, estamos preocupados contigo porque isso, isso, aquilo… Agora o cara começa a viver uma vida, e a oferta não condiz com a vida dele. Tu acha que os pastores irão falar hoje em dia? O primeiro pensamento: O cara está interessado no meu dinheiro. E os pastores deixam de falar. Deveria sim, falar. O meu irmão, parei de ofertar um tempão. Tá meu irmão, mas porquê? O que está acontecendo? Vamos conversar sobre este assunto! Muitos pastores de verdade deixam de falar neste assunto. Deus não tem medo disso! Uma coisa que eu acho lindo neste texto, é que Deus não tem esse tipo de medo. Deus fala muito em dinheiro, riqueza, administração, investimento, posses. Só no Antigo Testamento Deus fala oitocentas vezes sobre oferta, dinheiro, finanças. Jesus, 25 % do que ele falou nos evangelhos é em dinheiro. Você não tem como chegar e falar: Não fala em dinheiro e seja igual a Jesus, não tem como. Eu quero ser igual a Jesus, mas não quero falar em dinheiro. Não! Jesus fala muito isso, porque o dinheiro revela muito do que é o nosso coração, do que somos de verdade. O dinheiro vai revelar, a questão prática vai mostrar isso. Então eu fico muito feliz por saber que tem homens da teologia da prosperidade que lidam com esse tema. Eu apenas discordo do jeito que eles fazem. O jeito que eles fazem está errado. Mas o fato de abordarem este assunto está correto.

A questão central do texto, é: Nós damos a Deus por alegria ou por ganância? Eu quero que vocês entendam algumas coisas comigo aqui. Existem três tipos de promessas na Bíblia. A Primeira: promessa única. Deus fala com uma pessoa, ou com um povo uma única vez. Isso não significa que Deus nunca mais vai fazer, mas significa que Deus de vez em quando faz. Mas promessa mesmo, foi feito uma vez. Vou dar um exemplo bem básico. Crê no senhor Jesus Cristo que será salvo tu e a tua casa! Sabe isso aí? Que Paulo falou para o carcereiro, essa é uma promessa única. Você já conheceu alguém que creu em Jesus e a família não foi salva? Eu conheço. A promessa falhou? Não! É porque Paulo falou para o carcereiro. Tanto que o mesmo Paulo em 1Corintios capítulo 7 ele diz para a mulher, se teu marido é ímpio e ele quer te deixar, como que tu sabe se vai salvar ele? Não, mas eu creio que meu marido vai ser salvo. Paulo disse que não é certo. É uma promessa única! Que pode acontecer, mas a verdade é que é uma promessa única.

Segundo: promessa para todos os tempos. Quem se arrepender, e se voltar para Jesus é salvo, isso é fato. Tem como o cara se arrepender de seus pecados, e ir até Jesus. Jesus mesmo diz: “Aquele que vem a min de maneira nenhuma vou lançar fora”. Esse aqui, não é um texto para você usar num namoro, tá. Tem caras que, ah, tu namora todas? Aquela que vem a min de maneira nenhuma lançarei fora. Não usa esse texto pro namoro. Deus está vendo, isso é Jesus falando. Eu já ouvi cada coisa, cara. Então é uma promessa para todos os tempos, Jesus prometeu, Jesus vai voltar. Tem como ele não voltar? Não, não tem, ele vai voltar.

Terceiro: A promessa única, mas tem um princípio para todos os tempos. Essa é uma promessa, que foi feita uma vez, mas tem um princípio por traz dela. Então, aqui, é o que está acontecendo. Todo mundo concorda aqui que o texto de Malaquias é uma promessa única, ele está no ponto um. Só que a questão é que a gente tem que descompactar, se esse texto possui algum princípio para todos os tempos ou não. Eu creio no ponto três. Eu creio que o que está sendo prometido aqui em Malaquias, é só para aquele período, só que isso carrega um princípio para todos os tempos. Então você tem que intender uma coisa, o que eles estão fazendo aqui, eles estão roubando o proprietário. Deus é o proprietário, Deus deu tudo para eles. Imagina só, você faz um negócio com um cara, abre um negócio com o Everton. O Everton vai ficar rico agora, o “fortuna”. Abriu um negócio com o Everton, e ele vai chegar assim e dizer: Aqui está o nosso negócio, e vou recolher 10% todo mês com o Kauê. Dai chega no primeiro mês e o Kauê diz: Bah, assim o negócio está difícil, e não dá os 10%. O que o Kauê está fazendo com o Everton? Está roubando o Everton. Vou dar um outro exemplo. Trabalha com vendas, que trabalha com vendas aqui? Quem é comissionado? Imagina aí Kauê, tu ganha 10%, tu com a motinho lá, behrrrrrr! Bah! Vendendo, uma loucura para ganhar os 10%, ai chega no final do mês pra pegar os teus 10% e o teu chefe diz o que? Não, não vou dar! O que teu chefe está fazendo? O teu chefe está roubando. Imagina só Kellen, claro a Kellen é gerente de loja, ganha mais do que isso. Mesma coisa! O que está acontecendo aqui é isso.

O dizimo é uma demonstração primeiro da generosidade de Deus. Deus é dono de tudo, tudo, tudo, tudo… Você tem que intender isso, o problema nosso é que pensamos na oferta! Ah! Não, não, ahh! Pensamos que somos donos das coisas, cara. Deus é dono de tudo! Aí Deus faz a gente, bota a gente na terra e Deus diz assim: Negão, seguinte eu sou dono da “bagaça” toda, mas eu fiz uma parada contigo aqui e tu vai me dar 10%. Mas olha só cara, a bondade de Deus com esse povo aqui. Deus está dizendo para eles assim, não é a questão de dar 10%, a questão é Deus dizer assim: Eu estou te dando tudo, e estou te dando 90%. Não! É só um Deus extremamente generoso, quando eu paro para pensar na oferta, quando eu vou ofertar, toda vez eu tenho uma ponta de incredulidade para ofertar. A Talita é muito mais liberal do que eu. Minha mulher ora muito mais do que eu, tanto que lá em casa, no culto, quem ora sou eu pois se deixar a Talita orando ela fica duas horas. Ah, pastor? É verdade, é verdade! Minha mulher ora tanto, que as vezes estou orando com ela assim e, amém, amém! Amém! Obrigado Senhor! Bah! Não para de orar rapaz. Para de orar um pouco. E ela que envolve oferta, envolve isso. Ela é muito, muito, mas muito mais crente do que eu. Mas esse pensamento, aí eu paro e penso, não cara! Somente um Deus muito generoso diz assim: Vocês vão ofertar 10%, contexto ainda de Malaquias.

Você tem que entender isso, que algumas coisas estão ocorrendo aqui, algumas maldições por causa da infidelidade desses caras. Deus está dizendo para eles que eles devem trazer os dízimos, verso dez, ao tesouro do templo. Era um compartimento do templo que ficava o dinheiro, dependendo do dízimo eles davam de três em três anos, alguns eram alimentos que eles traziam. E Deus está dizendo para que haja mantimento. Deus está perguntando, vê se eu não vou abrir as janelas dos céus. Há uma comparação aqui com Noé, quando as janelas dos céus foram abertas caiu água do juízo. Aqui Deus está dizendo que vai cair água de bênçãos sobre esses caras aqui, verso dez.

A grande ideia, quando as pessoas ficam pensando: nossa será que essas bênçãos, eu vou ofertar na igreja, vai abrir uma janela de bênçãos na minha cabeça. Vai cais, puchh!! Cai uma benção na minha cabeça! A grande questão aqui, não é se vai abrir uma janela, não, se isso, aquilo. A grande questão é que toda benção vem do céu. Tudo que vem de bom… Não existe nada… O novo testamento também fala isso. Toda boa dádiva vem do Pai, das luzes do céu, vem de Deus. Deus está dizendo: eu vou abençoar vocês. As bênçãos não vêm da criação. A primeira coisa dentro deste texto é isso. Se você está sendo abençoado, não é porque você é espertão, não é porque você é malandrão, não é porque você diz: é porque eu consegui fazer isso aqui. Bah, eu sou um baita negociante, eu tenho uma lábia muito boa. Não! Todas as boas dádivas vêm de Deus! Quando você senta para comer, você deveria entender. Calvino vai dizer que nós deveríamos comer com o coração, como se o próprio Deus em pessoa estivesse servindo aquele prato. Como que tu vai murmurar de uma comida se o próprio Deus colocar assim. Pah!

Se Deus, na minha frente colocar um bife de fígado pra eu comer: Obrigado Senhor! Não tem como murmurar do bife de fígado. Não tem como! Agora, uma pergunta: tem uma promessa aqui para todos os tempos no verso 10? A grande pergunta é: no verso 10, “se abrir as janelas dos céus”, isso aqui é uma promessa pra todos os tempos? A Teologia da Prosperidade diz que sim. Se tu tens que dar 10%, é para a igreja local, que a igreja local é o armazém que guarda o dinheiro das pessoas. Isso é mentira, gente. Primeira coisa que eu quero dizer é que isso é mentira. Essa não é uma promessa para todos os tempos.  – “Não! Mas tudo que a bíblia diz, eu creio na bíblia”. “Maicon, eu creio, é pra mim esse texto!”. Vamos lá na praia! Caminha na água pra nós aí… Pedro não caminhou? “Há! Mas foi só um pouquinho”. Então caminha um pouquinho! Faz um moon walking pra nós aí, faz pra nós aí! O cara que fala que esse texto aqui, Maicon, é para todos, dá uma vara na mão dele e diz: “transforma em uma cobra pra nós aí; Deus não falou pra Moisés jogar a vara e transformar em uma cobra?” – “Não, mas isso foi pra

Moisés.” Hááá! Mas Pedro não caminhou? – “Mas daí Jesus mandou Pedro vir”. Háááá! Mas daí não é pra ti? Mas na hora de ganhar as bênçãos e os ‘dinheirão’ é pra ti? Hmm! Bonito! Vamos ao cego lá, vamos chegar no cego. Leva um barro para o cara, cospe nesse barro, faz um ‘lodinho’ aqui com cuspe, bota no olho do cego e cura o cego. “Não, mas Jesus fez isso só com um cego”. Ah, tá! Entendi, entendi! O cara que falar: “Não! Esse texto é meu!”, tu chega com duas sardinhas e cinco ‘bisnaguinhas’ pra ele, “multiplica pra nós aí!”. O cara diz: “Não…”, Mas na Bíblia o cara chegou com duas sardinhas e duas ‘bisnaguinhas’ e daí Jesus chegou e boom!  E Jesus fez um ‘bagulho’ furioso lá, não fez? “Mas foi só daquela vez”. Ah, então não é toda hora? Então, é milagre! Não é terça-feira, feira, não é segunda-feira, que é toda a semana. O cara diz que você vai ter uma vida de milagre. Se vai ter uma vida de milagre, já não é mais milagre. Para com isso! “Eu quero andar num caminho de milagre”. Mas daí já não é milagre. Quando é milagre, quando acontece… Eita! Por exemplo: o Marcelo Grohe defendeu uma bola que nunca mais na vida. Vai tomar uns ‘peru’, tomara que não seja semana que vem, mas vai tomar uns ‘peru’. Não vai aguentar o tempo todo. Beleza, mas o que esse texto quer dizer pra nós? Outra coisa que fica aqui: É uma vez só na Bíblia que Deus diz esse negócio, ‘me prova, me testa’, é uma vez só. ‘Negão’, não tem mais isso na Bíblia! Não tem. No resto, não tem mais. Pelo contrário. Tem outra coisa, Deus vai dizer: “Não tentarás o Senhor teu Deus”. É a única vez na Bíblia, ou seja, aí os caras da Teologia da Prosperidade usam esse argumento de que é uma única vez, que é para fazer sempre. Não, ‘burro’! Se é uma vez é porque isto é muito sério. Não é para sair fazendo isso daí. Você não vai dar oferta e colocar Deus na parede. Mas o que este texto está dizendo para nós? Eu creio que este texto é uma promessa única, com um princípio para todos os tempos. E que princípio é este? Anota aí. Princípio de generosidade. Então assim, vamos diferenciar Promessa de Princípio. Promessa vai acontecer, vai acontecer!

É promessa: ‘Jesus vai voltar’. ‘A igreja vai triunfar’. ‘As portas do inferno não prevalecem contra a igreja’; é uma promessa. “Quem crer e for batizado será salvo”. É uma promessa. Agora, Princípio geralmente ocorre assim, normalmente desse jeito, vamos lá! Um texto que fala muito sobre princípios é Provérbios. “Ensina a criança no caminho que deve andar e depois de velho não vai se desviar dele”. Isso é um princípio. Vocês já viram um pai piedoso, um pai crente com filho parecendo um demônio? Vocês já viram isso? Os filhos aí, usando drogas, fazendo um monte de coisa? O Piper, por exemplo, o filho dele não foi descrente um tempão? E Billy Graham, seu filho, Franklyn Graham que agora tá posando aí, orando pelos presidentes, fazia e acontecia, era ‘locão’, era ‘vida loca’. Então, é um Princípio. Agora, Promessa: os mortos serão ressuscitados, ‘é… mais ou menos’. Não! Isso é fato. Isso é uma Promessa. Por que o texto de Malaquias não é mais uma promessa? Porque ele está dito só em um contexto da Bíblia.

John Piper, em uma série de artigos lá em 2007 (e eu pirei lendo esses artigos dele), que o título era “Aos pregadores da prosperidade”, ele fazia alguns apelos aos pregadores da prosperidade. E eu me lembro. Pra mim, o que ficou gravado na minha memória, presta atenção, é: “Pregadores da prosperidade, ensine-os o Ide”. Presta atenção. John Piper vai dizer que na antiga aliança a glória de Deus era o Vinde. Venham! A rainha de Sabá; Salomão vai evangelizar a rainha de Sabá ou a rainha de Sabá vem até Salomão? A rainha de Sabá vem e ela vê a glória, e ela vê tudo aquilo, ela vê toda a sabedoria de Salomão. Ela vê tudo aquilo e o que acontece com ela? Ela se converte. No Antigo Testamento a ideia era esta, as nações viriam até Israel e se converteriam, só que no Novo Testamento não é mais vinde, agora é ide, então a questão do ide ela muda a questão financeira. As pessoas não são mais convertidas ao Senhor por nos verem prosperando, como acontecia em Israel quando as nações vinham, eram aceitas, onde eram os prosélitos. Agora muda, a questão é Ide. Eu quero analisar com vocês bem rápido aqui, um texto bíblico basicamente, em 2 Co. 9: 8, diz: “E Deus é poderoso para fazer toda a graça transbordar em vós, afim de que, tendo sempre o suficiente em tudo, transbordeis em toda a boa obra”. Deus é poderoso pra fazer, Deus pode fazer, Deus pode fazer. Não quer dizer que Ele vai fazer. A questão aqui é ser ou ter. O foco do evangelho neotestamentário basicamente não é em ter é em ser. Você pode ser generoso sem ter muito. Mas Deus pode dar? Pode, pode! Eu quero dar pra vocês aqui 8 (oito) princípios sobre a Generosidade.  

 

Oito (8) Princípios sobre a Generosidade

 

1° Princípio – Deus é generoso com você. Você tem que entender isso, esses caras não apreciam a generosidade de Deus, os caras aqui de Malaquias, não apreciam. Deus, não é do jeito que eles sonham, mas é mais do que eles merecem. Mesma coisa tu. Tu sonha com mais, é obvio. Mas tu tem que saber: é mais do que tu merece. Filipe com certeza sonha. Com o quê? Uma caminhonete, Filipe? Uma Ram, mas tem um Celta. Mas a questão é a seguinte, o sonho é uma Ram. Podes ter um dia, mas tu tens que entender que o Celta é mais do que tu merece. Então, assim… Tem que entender isso aqui; Deus é generoso. Os caras de Malaquias não tão entendendo, eles estão indignados com Deus:

“Ah, essa terra desgraçada!”. Não era nem para ter terra. Não era para ter nada! Eles queriam mais. Você tem que entender uma coisa; você tem que ser grato a Deus.  

2° Princípio – Deus pede o nosso melhor e o nosso pior. Deus não tratou com eles aqui sobre o adultério? Sobre divórcio? Deus está dizendo: traga o teu adultério a mim, traga o teu divórcio a mim, traga o teu pecado a mim, venha até mim. Existe perdão de Deus, existe graça em Deus. Mas Deus também está dizendo: traga as finanças a mim. Deus quer o pior e o melhor também.  

 

3° Princípio – Dar revela quem você é. Na prática, meu velho, o teu dinheiro vai revelar quem é o teu deus. O teu hobby, tua comida. O jeito que tu gasta mostra o que é importante pra você, isso é fato! Se a generosidade é algo central na sua vida. A forma como você dá, como você oferta, como você ajuda os pobres, como você ajuda os necessitados, revela muito, revela muito sobre você. Eu falo isso sobre o casamento, não tem como… …eu queria casar com a Talita, ‘Negão’, eu vi a Talita e eu pensei assim: “eu vou casar com esse ‘pitelzinho’ aí, eu vou botar a mão nesse pitelzinho aí! É meu, eu me aposso dele”. Josué disse em botar a planta do pé, eu quase que botei o pé na Talita assim: “É minha!”. O que eu fiz, a primeira coisa que eu fiz, foi gastar dinheiro com o ‘corpinho’. Primeira coisa. Não tem como tu amar uma ‘guria’ e não gastar dinheiro com ela, mulher é um ‘bicho’ caro, uma coisa cara, até a econômica custa caro. A minha é ‘versão econômica’ e é cara, paga uns cremes, uns ‘bagulho’, uns ‘negócio’ para o cabelo, e é caro; mulher é um ‘bicho’ caro, mas se eu não tivesse botando dinheiro ali, investindo no corpo, mostraria que eu não a amava. Claro, que eu levei ela um dia no ‘Xis das Pombas’ ali no centro, só para testar mesmo se ela me amava. Ela comeu aquele xis espantando as pombas, assim (gesticulação). Era um local em que tu dava o dinheiro e o cara pegava o dinheiro com a mão, e pegava teu xis com a mão… O Pépe, cara legal.

 

4° Princípio – Fé sem doação é algo morto. A Fe é uma devoção. Tiago vai dizer que a fé sem obras é morta. Malaquias e Tiago é muito parecido, cara; é muito prático. É porque a gente gosta assim, que a Fé seja uma coisa do tipo: “Ah! Olha só! Mas que bonita essa áurea!”. Sabe aquelas pessoas que fumam maconha? “Ah! Eu tô vendo uma áurea colorida, assim (gesto) na tua cabeça!”. Sabe? As pessoas pensam que fé é isso. Tiago tá colocando em prática as coisas. Malaquias, a mesma coisa: “vocês amam a

Deus? Ofertem”. Você pode ofertar sem amar a Deus, mas você não consegue amar a Deus sem ofertar. Não estou dizendo que todos os que ofertam amam a Deus. Tem muita gente que faz para aparecer, mas é impossível você amar o Senhor e suas finanças não Por isso que quando eu vou ler, vários livros sobre liderança, eles vão dizer que, cara, uma das características de um obreiro, uma das, é que ele é um bom ofertante. Por quê? O coração dele está ali, ele quer que aquilo dê certo.  

 

5º Princípio – Dar é algo que muda você. Você vai se tornar mais agradecido, você vai se tornar melhor. O dinheiro vai deixar de ser teu deus, o dinheiro vai deixar de mandar em você. Você vai passar a confiar mais em Deus, e não no dinheiro. Por que o dinheiro, você pensa que não, mas diz: “eu tenho que reter isto aqui!”; “Isso aqui é minha segurança”. A tua segurança não está em Deus, a tua segurança está no dinheiro.

 

6º Princípio – Deus procura bons mordomos. Deus, aqui em Malaquias, não está dizendo para os caras: “Eu estou com um monte de benção para derramar aqui”. Só que Deus quer derramar em quem é generoso. Escuta isso aqui, Deus quer derramar em quem é generoso, porque quem é generoso não vai reter, vai espalhar isso.

 

7º Princípio (não… O sétimo é brutal! Escuta isso aqui. O pastor Jack está dizendo!) A vida das pessoas generosas vai melhorar. Vai melhorar. Não é uma promessa, é um princípio, mas vai melhorar! Esse princípio é fantástico, não é uma mágica, não é abra cadabra! Não estou dizendo isso. Vou dar um exemplo aqui básico. As gurias solteiras aqui (não precisa dizer sim ou não aqui, tá?), você quer casar com um homem ganancioso ou com um homem generoso? O que é generoso tem mais chance de casar! Você tem uma empresa; você quer contratar uma pessoa generosa ou uma pessoa gananciosa? Você quer contratar um empregado ganancioso ou generoso? Minha irmã, você sonha em ter um filho com um homem generoso ou ganancioso? Você quer um amigo; você quer se relacionar com quem é ganancioso ou generoso? Uma questão prática. A vida das pessoas generosas quase sempre é melhor! Quase sempre é melhor. Elas terão melhores amigos. De uma forma prática, quem é generoso, é mais amado pelas pessoas

 

8º Princípio – você tem que entender que: Você vai ser tentado a roubar Deus. Aqui em Malaquias eles estão em crise. A primeira coisa que eles vão fazer é cortar a oferta. A Talita conta um testemunho brutal. Ela conta que quando ela era solteira, ela recebia um valor da pensão da mãe dela que faleceu. Ela morava sozinha na parte de trás do pai dela. Ela tinha uma madrasta; a mulher parecia a bruxa ‘Baratuxa’. Era complicado o relacionamento dela com a Talita, ela tem uma marca de uns beliscões, até hoje, dessa ‘mulher do demônio’. E a Talita morava sozinha na parte de trás do pátio. E ela tinha um dinheiro contado para viver durante o mês. Ela tinha juntado um dinheiro para comprar um fogão para ela, e ela ia ter que dar o dízimo na igreja e não ia ter dinheiro para ir para o colégio. Quem se lembra, aqui, das fichinhas marrons? Vocês se lembram? Vocês são velhos, vocês são velhos! Quem trocou fichinha marrom por churros, sabe do que eu estou dizendo. Você ia com o tiozinho do churros na esquina do colégio. Então aí ela contou que, ou dava o dízimo ou comprava as fichinhas. Só que a Talita não é o Jack, ela preferiu confiar no Senhor. Ela foi lá e deu a oferta da igreja – e depois que passa é muito fácil a gente desdenhar das coisas, da experiência de Deus com as pessoas. Ela conta que ela achou todos os dias duas fichinhas dentro da casa dela. Ou ela era muito desorganizada, e ela pegou um saco de fichinhas e deixou cair pela casa toda; ou isso pode ter sido um milagre, mas ela teve passagem para todo o mês para ir até o colégio. E isso fortaleceu tanto a fé dela, que ela não deixa a gente não ofertar lá em casa. Às vezes não dá; nós estamos apertados, ela vai lá e dá a oferta. Ela dá um jeito de roubar o dinheiro de mim, mas não tira o dinheiro de Deus, porque isso fortaleceu muito a fé dela. Muito, muito, muito. Uma outra coisa, a Talita é aquele tipo de gente que acha dinheiro na rua, eu nunca achei. Nós estávamos casando; na época, 50 reais era muito dinheiro. Eu sei que não é pouco dinheiro, mas, há 12 anos atrás, isso era muito mais dinheiro. E a Talita: “Ah! quero comprar as flores para o casamento”. E eu não estava nem aí, eu queria era casar, entendeu? Eu queria casar, e lua de mel… É nóis! Uhuu! E a Talita queria as ‘florzinhas’ do casamento, aquela coisa toda… E ela conta que ela saiu do elevador e tinha uma nota de 50 reais. Ela precisava de 50 reais. Ela olhou e não tinha ninguém. Isso aqui não é uma promessa, é um princípio. Então, a pergunta é: “Deus quer meu dinheiro, Jack?” Não, cara! Deus quer muito mais que teu dinheiro. Deus quer tudo. Deus quer você. Deus quer você para ele. Deus quer mais, Deus quer sua mente, seu corpo, seu casamento, seus filhos, negócios, carros, casa. Deus quer seu pecado, Deus quer a sua alma, Deus quer a sua eternidade. Se você está ‘apavoradinho’ com o dinheiro, você não entendeu nada ainda.  

Agora a pergunta: o dízimo é para os cristãos? O dízimo é para nós? Devemos dar o dízimo? Então, me deixa explicar uma coisa bem rápida para vocês. No Antigo Testamento, o dízimo eram 10%, mais primícias – que dava em torno de 3%, mais ofertas de líquidos e ofertas de sólidos, ou seja, eles davam oferta de bebida no templo, eles davam oferta também de farinha de trigo, um monte de coisa. Eles davam umas ofertas voluntárias; tinha dinheiro para festas, festivais. Dinheiro para os pobres; doação a mais de 7 em 7 anos. Os teólogos dizem, que quando se contabilizava tudo, dava em torno de 25% a 27% o que o judeu ofertava. No Novo Testamento como que é isso? Tem primícias? Tem dízimo? Tem festa? No Novo Testamento a coisa é bem diferente. O foco é alegria. O foco aqui é alegria. No Novo Testamento, não fala em o dízimo propriamente dito. Fala em Mateus, mas está debaixo da antiga aliança. Hernandes Dias Lopes bate muito nisso. Dízimo é uma coisa anterior à Lei, é uma coisa da Lei e é uma coisa posterior à Lei. Mas a grande questão no Novo Testamento não é a ‘medidinha’ dos 10% – ainda que ela seja uma boa medida-, mas a grande questão no Novo Testamento é alegria, sacrifício e amor. Envolve questão sacrificial? Envolve. Porque o jeito que os caras ofertam, aquela galera da macedônia lá, eles tiram de onde eles não têm. Envolve certa questão de sacrifício, sim. O foco é alegria. Outra coisa também, que a oferta deve ser regular. Você não pode chegar: “não eu sinto de ofertar agora”. As necessidades são constantes, elas não param. Paulo vai dizer aos filipenses, ‘que bom que vocês renovaram os cuidados comigo. Que bom. Fico feliz’. Outra coisa que você tem que entender aqui; hoje a gente tem um combate de uns ‘jovenzinhos’ contra o dízimo, por causa de falsos pregadores. Mas hoje se bate muito nisso. Só que os jovens são os menos propensos a ofertar. Por isso eu converso com uns caras com o mesmo número de membros que a nossa igreja, e a igreja estourando de grana, e os caras enviando missionário pra ‘Disney’ para evangelizar o ‘Pateta’. Primeira coisa que eu pergunto pros caras: qual é a média de idade da tua igreja? Daí os caras: “55, 60 anos”. Só os ‘negos’ com a vida feita, a oferta é maior. As pessoas têm tendência, os mais velhos, a serem mais generosos que os mais jovens.

Outra coisa que você precisa entender; aquelas pessoas que fazem aquelas promessas: “quando eu melhorar, eu vou ofertar”. Eu quero dizer isso aqui; isso é mentira. É a mesma coisa: “eu vou parar de adulterar, eu vou virar fiel, eu estou adulterando para aprender a ser fiel”. Não existe isso. O contexto de Malaquias é um contexto de crise, é um contexto de crise financeira, e Deus está batendo no jeito que eles estão usando o dinheiro. “Ah! Estamos vivendo em crise”. Cara, eu quero te dizer uma coisa; a obra de Deus não pode parar, não pode parar. Você corta alguma coisa da tua vida, mas a obra de Deus não pode parar, não pode! No Novo Testamento, o meu argumento, para mim, aumentou a coisa. “Para mim, é 10%”. Quer que eu fale bem a verdade? Para mim, no Novo Testamento, no contexto de Coríntios, ali s caras ofertavam mais que 10%. A igreja não teria dado esse avanço que a gente vê aqui em Jerusalém. Ninguém aqui está querendo que tu venda tua casa agora e traga aos pés dos presbíteros. Ninguém está pedindo isso. Só que a gente nota que o coração dos ‘caras’ era muito mais generoso do que no Antigo Testamento. Paulo recolhe as ofertas de modo muito mais simples no Novo Testamento do que no Antigo. A probabilidade de os caras ofertarem muito mais do que 25,27% é muito maior, e no Novo Testamento, muitas vezes as exigências da Lei elas não diminuem elas aumentam. Antigo Testamento: não adultera; no Novo, tu cobiçou a mulher ali, adulterou. Antigo Testamento: não mata; no Novo, se tu odiou teu irmão, tu já matou o cara. A exigência é muito mais forte, ainda que eu acredite que isso seja algo que sempre deveria ter sido assim. Só que agora no Novo Testamento Jesus dá a correta interpretação. Então, no meu ver, tudo que você leu sobre os puritanos, sobre como os homens de Deus interpretaram isso, eles entendem que 10% não é um teto, mas um piso de onde a gente começa. Então, assim… Se você está preocupado se é 10%, analisa teu coração para ver se tu já não é avarento. Se isso te preocupa, se você está tão dolorido: para. Nem dá mais. O problema, na verdade, é o teu coração. Vai para casa e vai orar, dobra o teu joelho para ver se o dinheiro não está sendo o teu Deus. Se quando a gente lê isso aqui, a gente lê errado – é uma coisa tão simples, 10% é uma medida tão boa-, dá um pouco a mais. O que eu faço é isso! Dependendo, eu dou 10% e dou um pouco a mais. E eu oro que eu quero a partir de hoje, de hoje não; desse ano (eu já falei com a minha esposa), que todos os anos a gente venha aumentar a nossa oferta, proporcionalmente falando, imagina que benção! Se você orasse: “Deus dá condições de todo ano aumentar a minha oferta proporcional. Se eu ofertava 10%, que agora, a partir do ano que vem, eu possa ofertar 12%”. Se você conseguir fazer isso é porque Deus abençoou você financeiramente. O meu sonho é esse! Por quê? Porque eu quero ter condições. Simples!  

Agora, uma coisa que eu preciso dizer é que nossa igreja está crescendo em generosidade. A nossa igreja está crescendo, sendo um pouquinho mais inteligente no que envolve finanças. Acredito que a gente tem muita coisa para corrigir, mas eu quero agradecer vocês, não por mim, não pela igreja em si. Na verdade, eu quero encorajar vocês, a igreja, a nossa igreja. Se a gente tem comprado algumas coisas, ajudado algumas pessoas, enviado dinheiro para missionários que não são da nossa igreja é porque a igreja tem crescido aos pouquinhos em generosidade.  Gente! Eu vou só passar por cima do ponto dois (2) e do ponto três (3) por que encerrou sermão. Eles, em primeiro lugar, estão roubando quem? “Deus!”. Em segundo lugar, estão roubando a eles mesmos. Porque, ao deixar de ofertarem, eles deixam de receber uma bênção de Deus. E aqui, receber bênção de Deus, eu não estou nem falando de dinheiro. Porque é abençoador ser doador; e quando você não doa, você perde isso. Você perde a alegria de ajudar, você perde a alegria de participar, de entender: “‘Véio’, eu tenho parte nessa ‘bagaça’, aqui! ‘Isto aqui que tem minha mão’”. O meu vô dizia para mim, todo feliz todo faceiro, meu falecido Vô. O nome dele é Anésio (eu não sei o porquê colocavam esses nomes nas pessoas). Nunca vou colocar no meu filho o nome Anésio Neto. Não tem como! O meu vô Anésio dizia para mim assim: “Jackson!”; às vezes eu ia com ele no Olímpico, ele olhava o Olímpico assim e dizia: “Eu ajudei a construir isso aqui”. Meu vô na época, na época em que Porto Alegre era uma província. É uma província ainda, mas era mais provinciano ainda. Os torcedores do Grêmio, os caras chegavam com o cimento. Os caras chegavam de carro lá, as Belinas, os Fiat 147, e largavam três cimentos, quatro cimentos. Os torcedores que levavam o cimento para fazer o negócio.

O meu vô levou o cimento e ajudou a construir, a virar a massa para fazer o Olímpico. Daí meu vô ia aos jogos, meu vô olhava… Sabe o que é isso? Tu olhar os jogadores correndo se matando, e tu: “Eu ajudei a fazer isso aqui!”. Imagina na obra de Deus! ‘Isso aqui tem minha mão’. Só que na obra de Deus, os caras, ao não ofertar, estão roubando a Deus.  Em segundo lugar, estão roubando deles mesmos. Estão roubando esse prazer, essa alegria. Quanto que você já perdeu por ser ganancioso? Quanto você já perdeu por ser avarento?  

Terceiro e último, eles estão roubando dos outros. Ao não ofertar eles roubam de Deus, em segundo lugar, eles roubam deles mesmos e em terceiro, roubam dos outros. Ao não doarem, os levitas ficam sem alimento. O que está acontecendo no período aqui de Ageu, de Malaquias. Gente eu sei que passou horários segura só mais um pouquinho aqui, não é sempre que acontece. E se bocejar eu aumento dez minutos. Faz cara de animado, feliz. O contexto aqui, quando Neemias volta, Neemias olha e os levitas eles abandonaram. Os levitas estão trabalhando, não no templo porque as pessoas não estão mais ofertando. E eles estão trabalhando para sustentar a mulher e os filhos.  Pelo fato de eles não ofertarem, eles estão roubando dos levitas. Eu sei da diferença: que o obreiro no Novo Testamento não é um levita.  Eu sei disso! Eu já fiz minha lição de casa, fica tranquilo! Só tem uma coisa, Paulo no capítulo 5 de 1Timóteo, ele vai fazer um paralelo dos obreiros do Novo Testamento com os obreiros do Antigo Testamento. Ele vai fazer, não adianta você ficar brabo. Paulo faz e Paulo fez. Eu vou dizer uma coisa para vocês com todo amor, quando você não oferta, você está impedindo de novos obreiros ou dos obreiros da nossa igreja serem sustentados. Você está impedindo. Está roubando. Você tem que entender isso. Você está tirando dinheiro… Oh, isso aqui podia ser usado para nós termos um, dois, três obreiros sendo sustentados pela igreja. O cara estar full time na igreja. Muitos abandonam o ministério por causa da ganância dos outros. Muita gente vocacionada. Eu conheço um pastor, mandei isso no grupo da igreja. O que aconteceu agora, com o pastor de Mato Grosso Sul, um homem de Deus: Quando o cara era neopentecostal ele pastoreava uma Quadrangular. Eu fui pregar na igreja dele. Tinha igreja, o negócio lotado, ‘bombando’ os caras ganhando uma grana, ele ganhava um bom salário na época, tinha um carro, casa. Aí o que aconteceu com cara? Ele se reformou; a igreja foi esvaziando, esvaziando, esvaziando, esvaziando. Ele começou a ensinar o quê, agora? O livro de Romanos. A igreja esvaziou. Ele teve que sair da igreja. A Quadrangular o demitiu, porque ele não tinha dinheiro. ‘A franquia não está gerando dinheiro, manda embora’. O que ele fez? Começou a pastorear na casa dele. Só que, o que acontece? Os Reformados não ofertam. Neopentecostal oferta, neopentecostal oferta! Mapa da Bíblia, tu ensina a Bíblia para as pessoas e era para as pessoas terem generosidade. – Vou encher os bolsos desse cara de dinheiro. Não ‘negão’, não, não! O que aconteceu com esse pastor? Eu não quero dizer o nome dele. Um homem de Deus, meu amigo. O que ele fez? Ele teve que abandonar o ministério, porque tem uma família. Mesma coisa no Antigo Testamento. Ele tem uma mulher, tem filha. As filhas grandes, tem casa, tem aluguel, tem que pagar o carro com IPVA, tem conta, a pessoa tem vida. Entendeu? Eu fui pregar fora do estado, alguém ofertou. Eu ganhei uma oferta fora do estado de R$ 1.500. Aí os caras. “Nossa R$ 1.500!!!”  Ah eu ganho R$1.500 todo dia? Se eu pregar todo o dia e ganhar RS 1.500, aí sim.  E os caras já estavam falando “R$1.500!!”. O que eu fiz com R$1.500 reais? Cheguei, peguei a oferta na segunda-feira e já estava lá. Com o quê? Com o quê? Com os boletos. Os boletos, pagando o boleto, pagando o que? Pagando IPVA do carro. Foi isso, cara. Fui pregar agora em Osório os caras me deram uma boa oferta. Uma boa oferta e o que acontece? Pagamos coisa aqui, pagamos coisa ali e acabou o dinheiro. Acabou! Foi! Ofertei na igreja, foi. acabou.

Você tem que intender uma coisa: mil reais na mão do Liscano é uma coisa, mil reais na mão de um presbítero é outra coisa. Paga aqui faz ali, vai lá, tem que comer aqui, vai fazer um agrado para o fulano. Leva presentinho para o fulano, tem que ir à casa do fulano, porque, Bah! se tu não fores à casa do fulano dá um problemão. Porque não sei o quê, vai ali, gasolina, foi, foi, foi! E está o Liscano aí tocando a bateria num Ped. É diferente. Eu quero dizer uma coisa, que quem está pregando aqui pra vocês, já viveu com dez reais por semana plantando igreja. Outra igreja, que a Talita e eu plantávamos. Plantei uma igreja pela Batista. O primeiro mês estourou a oferta. Oferta, oferta, oferta! Os pastores diziam: “Não! Vai melhorar, vai melhorar”. Teve um mês que eles nos deram toda semana dez reais para viver. Dez reais! E eles vivendo com valor bem mais alto. O que poderia ser feito na nossa igreja se todos fossem generosos? Imagina o que nós faríamos se não fosse doado apenas o resto…  Gente, todo este roubo que está acontecendo aqui apenas revela o coração do povo. Olha rápido aí no verso 13: “As vossas palavras foram” muito o quê? “Hostis”. Os caras continuam discutindo, os caras são umas ‘pragas dos demônios’. Eles continuam discutindo. Verso 17: “E naquele dia que prepararei, eles serão meus, diz o SENHOR dos exércitos, minha propriedade exclusiva; terei compaixão deles, como um homem tem compaixão de seu filho, que o serve.” Qual é a coisa mais preciosa pra você? Qual é a coisa que você diz: “Sem isso aqui não dá! Se Deus me tirar isso aqui, eu entro em briga com Deus. Eu brigo com Deus”. Tua mulher? Teu filho? Teu carro? Sabe qual é a coisa mais preciosa para Deus, que o verso 17 está mostrando? Você! A propriedade. O cerne do texto, a grande ideia do texto é: Deus tem que ser a tua propriedade, porque para Deus tu é a propriedade dele. O que envolve aqui é relacionamento. Deus tem que ser a tua grande propriedade, tua grande alegria, porque para ele, você é a propriedade dele. É isso! E daí ele encerra dizendo no verso 18: “Então veremos outra vez a diferença entre o justo e o mau; entre o que serve a Deus e o que não serve.” A diferença é essa. A diferença para o crente é que Deus é o tesouro dele, não o dinheiro. Então ele usa o dinheiro. A diferença para o descrente, é que o dinheiro é o deus dele, então, ele usa Deus, ele usa o Senhor.

E eu encerro dizendo que a sua oferta revela isso. Malaquias é um livro extremamente prático não adianta a gente ficar filosofando, se 10% para você é uma dor no teu coração, reveja o teu coração, reveja teu coração. E, cara, coisa boa ter a mente tranquila. Se fosse em outros tempos, de ‘profetismo juvenil’, eu ia falar para o Everton, todo desesperado, ‘pelo amor de Deus, tira a oferta antes do sermão, eu não quero que pensem mal de mim’. Agora?! Que se dane! Se dane, se alguém vai pensar mal de mim. Alguém vai ouvir esse sermão, alguém que vai dizer: ‘não quero mais ouvir esse sermão’. Vão ‘pro inferno’, vocês! Tu que está dizendo isso agora, está ouvindo o sermão, e está murmurando de mim vai tu ‘pro inferno’, com muito amor no coração eu digo isso. É a Bíblia cara! É a Bíblia! Jesus amou a Deus, Jesus amou o Senhor. O dinheiro não foi o deus de Jesus. A boa notícia é essa: você pode ser perdoado. Se o dinheiro tem sido o teu deus, peça perdão ao Senhor. Feche os olhos, vamos orar. Não tinha como não passar o tempo, fecha os olhos com alegria e não dorme senão vou matar você.  

 

Senhor, obrigado pela tua Palavra, obrigado pelo teu Evangelho.

Que possamos ser bons doadores, generosos, alegres.

Que possamos nos alegrar e com isso deixar um legado; que nossos filhos não venham a ser crianças de pais egoístas e avarentos.

No nome bondoso de Jesus, que o povo que aqui está seja generoso. Seja alegre em doar, seja gente que ama a Deus, que ama o Senhor e que entrega o dinheiro.

Que não venham a amar o dinheiro a ponto de negociar o Senhor. Faz de nós generosos a começar pelos obreiros que aqui estão, a começar pelos diáconos, a começar pelos presbíteros, pastores dessa igreja. Que sejamos os maiores generosos e doadores dessa igreja no nome bondoso de Jesus.

Que a medida de 10% não seja algo que nos perturbe, mas que seja uma medida alegre de onde começamos a calcular a nossa oferta, no nome de Jesus.

Obrigado por tudo, Senhor, tu és generoso, tu nos doas o ar. Se te falamos palavras de louvor é porque, antes, tomamos de ti o ar. Tu és bom Senhor! No nome de Jesus nós te agradecemos.

Amém!

Pastor Jackson Jaques

10 de dezembro de 2017