FAÇA GUERRA CONTRA O MEDO (Semana #7)




Sétimo sermão da série FAÇA GUERRA, pregado pelo pastor Jackson Jacques, na igreja Vintage180, dia 11 de fevereiro de 2018.

Download PDF

 Faça Guerra Contra o Medo

Pediria que você inclinasse sua cabeça e fizéssemos uma oração neste momento.

Senhor, eu peço neste momento pelo teu povo que está aqui, a tua Igreja remida, comprada. Gente, Senhor, que estava afastada, caminhando por este mundo, e tua bondosa mão os resgatou, tua bondosa mão os acolheu, tua bondosa mão os alcançou; o Senhor Deus os salvou, tirou os seus pés de um lamaçal, de um charco de lodo, e colocou seus pés sobre uma rocha, que é Cristo; o Senhor Deus os salvou. Eu peço por este povo, Senhor, que saiu de suas casas hoje de manhã e veio até aqui adorar o teu Nome. Olha para nós, Senhor, olha para nós por intermédio de Jesus, o nosso Pastor. Aqui está teu rebanho, aqui está o teu povo, Senhor, aqui está cada um. E eu sou um pregador limitadíssimo, e eu preciso entregar o teu Evangelho. Eu peço por este povo, Senhor; estende tua mão sobre eles, me dê, mais uma vez, tua graça para proclamar teu Evangelho, Senhor. Esteja conosco, ó Deus; nos visita com teu poder, Senhor; nós precisamos de um avivamento no nosso meio. Nos visita com teu poder, para que nosso coração anseie mais pelo Senhor, para que nosso coração não venha ficar fadigado, Senhor, com as práticas devocionais, com as práticas espirituais. O mundo nestes dias está se entorpecendo nestas festas, Senhor, e o teu povo precisa ser cheio do teu Espírito, o teu povo precisa do teu poder, o teu povo precisa que tua glória se manifeste, Senhor, senão será somente um discurso vazio aqui do púlpito, da mesma forma quando oramos por enfermos, se o Senhor não colocar a tua mão sobre a nossa mão, se o Senhor Deus não operar, nós estaremos apenas ungindo com óleo, não com teu Espírito; estaremos apenas impondo as mãos. Por isso eu te peço: nos visita, Senhor, nos visita com teu poder, no Nome bondoso de Jesus, pelos méritos de Jesus, nós oramos. Amém!

Nós estamos em uma série sobre guerra – Faça Guerra – aqui na Vintage. Meu nome é Jackson, e eu sou um dos pastores desta igreja. Bom, acho que estamos todos, só, os todos de casa, e hoje quero falar com vocês sobre guerra contra o medo; fazer guerra contra o medo – nós estamos em uma série sobre guerra: Faça Guerra.

E no sermão hoje, eu quero falar pra vocês sobre medo, e muitas vezes eu me deparei, como pastor não de igreja, primeiramente, mas pastor da minha casa, pastor da minha esposa, da minha igrejinha (eu sempre digo, da minha principal igreja, que é minha esposa), eu me deparei, às vezes, com o coração da minha esposa quebrado, com a possibilidade de coisas que nunca aconteceram. A gente até brincou no grupo da igreja sobre esta questão da ansiedade. Mulheres às vezes sofrem de muito medo, minha esposa às vezes tem isso, às vezes eu pego ela, eu noto, já sei até do olhar dela, já faz 13 anos de casado, o olhar dela eu já sei, o meu olhar acho que ela não consegue discernir tanto assim, mas o olhar dela, eu consigo discernir bem, e eu digo: “O que foi? O que tá passando nesta cabeça, aí?” Ela já começa a rir, ela já começa a rir, até parece que eu sei o que tá passando nesta cabeça, aí, que já tá os fiozinhos tudo emaranhado, tudo enlouquecido na tua cabeça, aí, e ela começa a rir. Às vezes já quer chorar, e eu converso com ela e eu sei basicamente, algumas coisas que eu sei, trazem medo para minha esposa, e eu tento pastorear o coração dela, eu tento checar o coração dela, tento ficar em cima. Ficar lutando junto com ela contra estas coisas. Então, todos nós temos medos, todos nós somos assaltados por medos dia a dia, coisas que acontecem, coisas que se levantam contra nós, coisas que nos prejudicam, ou coisas que provavelmente nunca vão acontecer, coisas que nunca vão acontecer, mas nós temos um grande problema de viver as coisas antecipadas. Nós vivemos as coisas, às vezes, que nunca irão acontecer, e nós ficamos atormentados, ou, então, uma situação que aconteceu com um parente, por exemplo, lá na sua família: seu pai teve câncer, e você começa a ter medo. A partir de então você tem medo de ter câncer, você tem um medo terrível, tem um desespero terrível e isto – sinceramente – um dia pode, sim, acontecer, mas também há a possibilidade de isto nunca acontecer. Então nem todo o medo é racional. Às vezes a pessoa, digamos, vamos aqui ilustrar: a pessoa vai ter câncer com 75 anos e vai morrer com 77, tá bom? Então ela teve câncer com 75, três anos: 75, 76 e 77. Três anos de câncer. Mas a pessoa… ela vive uma vida de medo desde os 24, desesperada. Eu não estou dizendo que os problemas não virão, mas ela vive uma vida desde os 24, é como se ela tivesse tido câncer desde os 24 anos de idade. Ou, na melhor das hipóteses, ela vai morrer com 87 anos de idade e nunca vai ter câncer, mas passou dos 24 até os 87 com medo, desespero. Medo nós temos, muitas vezes, também, por situações que já passamos e temos medo de passar. Eu conversava com uma irmã ontem, e eu dizia sobre isso. Eu venho de um lar onde eu vivi de perto o que é ter um homem abusivo dentro do lar; meu padrasto batia na minha mãe, eu já falei isto pra vocês, a minha mãe de um metro e meio, e o cara com mais de um metro e oitenta de altura, e ele batia na minha mãe. E eu me lembro da cena como se fosse hoje. Eu era criança e tava na casa da minha vó, tinha 12 anos, tinha saído de casa, era um inferno viver lá. O meu padrasto tava dando indícios de que provavelmente ele faria alguma coisa contra mim. Quando morreu meu amigo de 12 anos, no dia 15 de Dezembro de 1994 (ele tinha 15 anos), morreu afogado. Quando eu cheguei em casa a primeira coisa que eu ouvi do meu padrasto – eu chorando, desesperado, ele era meu melhor amigo -, meu padrasto disse: “Quem tinha que ter morrido era tu”. E eu me lembro que eu saí de casa, fui morar com meu pai, depois fui morar com minha avó, e um dia eu estou na minha avó, e a minha mãe está me visitando. De repente, meu padrasto, ele chega, vê a minha mãe, vê que a minha mãe havia ido me visitar, e ele chama ela pra rua, e ele chuta ela. Então, tu só vai ter noção quando tu é um homem, desculpa as irmãs, mas vocês nunca vão ter noção do que é isto, porque tu ser um homem (porque eu tinha 12 anos, mas eu já tinha o ímpeto masculino), e eu queria defender minha mãe, mas a minha condição física não me permitia, porque eu era criança, eu era pequeno, era fraco, franzino. E eu olhei, e aquela sensação de impotência terrível, de querer defender uma mulher, que, no caso, é a minha mãe, que até então é a mulher mais importante da minha vida, e não tinha o que fazer, não tinha o que fazer. Então, nós passamos por situações terríveis, nós passamos, às vezes, na nossa história, por situações que são literalmente um inferno, e às vezes nós ficamos com medo de passar isso novamente. A pessoa perdeu um familiar, então a pessoa vive agora com este fantasma na mente.

Qual é o teu medo? Qual é o teu medo? O que é que assombra e assusta você, o que é… “Não, se isto acontecer, será terrível. Isto não pode acontecer, em hipótese alguma, em hipótese alguma…” O que é que assusta você? Eu me lembro agora quando nós perdemos o nosso bebê. A minha esposa, ela disse: “Eu sabia que isso iria acontecer!”. Não, não sabia. Tu não sabia. Nós não estamos vivendo neste mundo esperando que todo o mal do mundo caia sobre a nossa cabeça. A expectativa do cristão é uma expectativa positiva em Deus.

Eu gosto muito do texto que diz assim: “E os mansos herdarão a terra”. Os mansos – não é o céu, não é as nuvens -, é a terra [que eles herdarão]. A igreja vai triunfar, a igreja vai triunfar. Deus deu uma Missão para a igreja: não só pregar o evangelho, Deus deu uma missão para a igreja discipular as nações. “Ah, mas, Jackson, e a Grande Apostasia?” Fica tranquilo, eu acredito na Grande Apostasia, mas bem antes dela as nações serão alcançadas. “Será, Jackson?” Olha… Tá melhorando. Começamos com 12, há 2000 anos. Nós tínhamos só 12 – acho que tá melhorando, acho que tá avançando.

Então, eu queria falar pra vocês hoje sobre isso, e pra isso a gente vai se escorar, se apoiar, no texto de Marcos, capítulo 14 – porque Jesus sabia que a gente iria passar por isso. Mateus 14:22-36:

Jesus anda sobre o mar

22- Logo em seguida, ele obrigou seus discípulos a entrar no barco e ir na frente dele para o outro lado, enquanto ele mandava as multidões para casa.

23 -Tendo-as mandado para casa, subiu ao monte para orar em particular. Ao anoitecer, ele estava ali sozinho.

24 -Enquanto isso, o barco já estava bem longe da terra e era sacudido pelas ondas, pois o vento era contrário.

25 -Já alta madrugada, Jesus foi até eles, andando sobre o mar.

26- Mas, ao vê-lo andando sobre o mar, os discípulos assustaram-se e disseram: É um fantasma! E gritaram de medo.

27- Jesus, porém, falou-lhes imediatamente: Tende coragem! Sou eu! Não temais.

28- Pedro lhe respondeu: Senhor se és tu, manda-me ir sobre as águas até onde estás.

29- Ele lhe disse: Vem. Descendo do barco e andando sobre as águas, Pedro foi ao encontro de Jesus.

30- Mas, ao perceber o vento, teve medo; e, começando a afundar, gritou: Senhor, salva-me.

31- Imediatamente Jesus estendeu a mão, segurou-o e disse-lhe: Homem de pequena fé, por que duvidaste?

32 -E logo que subiram para o barco, o vento cessou.

33- Então os que estavam no barco o adoraram, dizendo: Verdadeiramente tu és o Filho de Deus.

34- E, tendo feito a travessia, chegaram à terra em Genesaré.

35 -Os homens do lugar o reconheceram e divulgaram isso por toda a região; e levaram-lhe todos os enfermos.

36- E rogaram-lhe, que apenas lhe permitissem tocar a barra do seu manto, e todos que lhe tocaram foram curados.

Eu amo este texto. Eu já preguei este texto aqui na igreja, eu amo este texto aqui na Vintage. Eu amo este texto. Provavelmente, se alguém me convidasse e dissesse assim: “Jackson, prega o teu melhor sermão!” Eu não tô dizendo que este é o meu melhor sermão, mas provavelmente [este seria o sermão que eu pregaria]. Tudo o que se extrai desse texto… É uma das coisas que eu mais amo na Escritura, é uma das coisas que eu mais gosto na Escritura. Eu acho este texto fantástico. Provavelmente, eu pregaria este texto. Algumas coisas que são fundamentais pra nós aqui, hoje, no século 21: vencermos o medo, você e eu. Precisamos nos atentar pra este texto. E meu coração foi muito impactado pela presença do Espírito Santo pra repartir este texto com vocês. Muito, muito, muito! Como diz o Spurgeon: parece que este texto saltou sobre mim como um leão e me agarrou; e eu queria sair dele, e ele ficava: “Hey! Aqui, ó! Aqui!” Algumas coisas saltam deste texto, na nossa guerra contra o medo.

Em primeiro lugar: você pode vencer o medo! Isso, isso mesmo: você pode vencer o medo porque Jesus conduz a sua vida, e se Jesus conduz a sua vida, você pode vencer o medo. Verso 24, olha o que diz: “Enquanto isso, o barco já estava bem longe da terra e era sacudido pelas ondas, pois o vento era contrário” Era tarde, o barco estava sendo sacudido pelas ondas, o medo era por causa do mar. Vocês viram, agora, o temporal que deu agora sexta-feira aqui em Porto Alegre. Vocês viram? Não acredita na Stephanie, a esposa do Arthur, não acredita. Eu falei pro pessoal da igreja, não dirigindo, foi o maior temporal que eu já peguei. Não tinha como, não tinha como dirigir, e ainda no carro, ainda no polo, ele tem um turbo, né, Maicon? E eu pensei comigo assim: cara, isto daqui vai dar conta desta água. E não dava. E daí assim, porque a Talita, tu nota, ela tá assim mexendo no celular. Quando ela largou o celular e ela ficou parada, assim, eu vi, e eu tava aqui assim, cara, colado [no vidro do carro], assim, tentando entender à rua, tentando entender o que tava acontecendo ali. Os carros tudo com os alertas ligados, e eu tentando chegar pelo menos até o Shopping Ipiranga, porque eu queria chegar em casa, mas eu pensei: não, eu passar pela Avenida Ipiranga não vai dar; passar pela Bento Gonçalves, não, isso aqui não dá. Isso aqui vira, o carro ainda não é anfíbio, seria legal ter um carro anfíbio, eu ainda quero ter um carro anfíbio, um carro anfíbio é legal, imagina as pessoas estão na praia se bronzeando, os caras tudo bombado, mas eles não tem um carro anfíbio, aí tu tá vindo com o carro, vai andando, vai entrando, vai entrando no mar e vai… Seria legal, mas não tenho ainda, o carro não é anfíbio! Vocês viram os caras pendurados aqui, vocês viram, não tem feminista fazendo aquele trabalho, não tem ninguém ali com o sovaco peludo pintado. Não tem, não tem, não tem! São homens que estão ali, e aqueles caras, com certeza, eles são homens durões, eles não são homens fracos. Mas eles tiveram medo ali, que nem estes caras. Era tarde, o barco estava sendo sacudido pelas ondas. O medo é por causa do mar, e os caras que estão aqui não são caras que não estão acostumados com o mar. Eles estão acostumados, eles deveriam estar naquele lugar ali. Por quê? Porque no verso 22, olha o que diz o texto: “Logo em seguida, ele…” ele quem? Jesus; “(…) [Jesus] obrigou os seus discípulos entrar no barco e ir à frente dele para o outro lado, enquanto ele mandava as multidões para casa”. Eles deveriam estar, no meio de toda aquela xórnia, ali, estar tranquilos, porque eles estavam em obediência a Jesus; porque eles estavam obedecendo a Jesus. Jesus mandou eles irem, eles estão no meio de uma tempestade, eles estão no meio de um temporal, eles estão no meio de algo terrível, e quem aqui já pegou, já andou de barco…

Imagina: as pessoas estão na praia se bronzeando, os caras tudo bombado, mas eles não têm um carro anfíbio. Aí tu está vindo com o carro, vai entrando, vai entrando, vai entrando no mar, e as pessoas: “O cara é louco!”. Seria legal, mas não tenho ainda; meu carro não é anfíbio. Vocês viram os caras pendurados, aqui, vocês viram. Não tem feministas naquele trabalho, não tem. Não tem ninguém ali com o sovaco peludo pintado, não tem, não tem. São homens que estão ali, e aqueles caras, com certeza, eles são caras durões, eles não são homens fracos, mas eles tiveram medo ali, que nem esses caras. Era tarde, o barco está sendo sacudido pelas ondas. O medo é por causa do mar, e os caras que estão aqui não são caras que não estão acostumados com o mar. Eles estão acostumados, eles deveriam estar naquele lugar ali. Por quê? Porque no verso 22, olha o que diz o texto: “Logo em seguida, ele…”, “ele” quem? “Jesus obrigou seus discípulos a entrar no barco e ir na frente dele para o outro lado. Enquanto ele andava, ele mandava as multidões para casa”. Eles deveriam, no meio de toda aquela xórnia, ali, estar tranquilos, porque eles estavam em obediência a Jesus, porque eles estavam obedecendo Jesus. Jesus mandou eles irem. Eles estão no meio de uma tempestade, eles estão no meio de um temporal, eles estão no meio de algo terrível, e quem aqui já andou de barco (jangada não vale), vem o vento, bate numa pedra, tu morre! Estou falando barco, alguém já andou, aqui? É um troço muito louco, velho, e eu estava andando uma vez com minha família – porque a minha família, por parte de mãe, é tudo de Laguna, Santa Catarina -; então minha tia disse para minha mãe: “Vamos andar de barco”. Eu era criança, mas tu não tem voz, e eu: “Não, não vamos, não…”, e pum! Lá fui eu, entendeu? Porque assim, quando tu é filho de pais separados, tudo que tua mãe vai fazer tu tem que ir junto. Por isso que eu odeio reunião da Avon, por isso que eu odeio, com todas minhas forças, chá de fralda e chá de panela. Desculpa! Isso é um saco. Eu tinha que ir. Eu sei como é um banheiro feminino; é um monte de fofoqueira pintando a boca; eu sei. Eu tinha que ir com minha mãe, quando eu era criança. Tu não te manda.

Coisa estúpida, reunião do Avon é uma tristeza. Eu não vou falar aqui se não vou ofender as pessoas… Não, vou falar sim! Reunião do Avon… cara, é um monte de mulher junto, assim. Lá ela é a gold, master, plaster, hiper vendedora, assim, e fora de lá ela não é ninguém, está entendendo? E lá elas se pintam, elas colocam umas máscaras, elas dançam, elas são felizes, depois elas saem vender Avon. Então, assim, a tempestade, você tem que notar nesse texto que a tempestade ela também vem para pessoas que estão servindo a Jesus. O fato de você servir Jesus não faz com que as tempestades não venham sobre sua vida. Elas vão vir. O fato das tempestades virem sobre você não quer dizer que você está em pecado diante de Deus; estar em uma tempestade em obediência a Jesus é mais seguro do que no conforto do lar em desobediência a Deus. Se você obedecer a Deus, em algum momento você vai perder seu emprego, você vai perder amigos, em algum momento você vai perder prestígio, em algum momento você vai perder oportunidades, em algum momento você vai ser escanteado, deixado de lado. Sim, você vai passar por isso. Bem-vindo ao time. Esse é o Cristianismo, essa é a Igreja. Jesus ressuscitou e nos chamou para passar por isso; coisa boa.

Você não deve julgar sua vida com base nas circunstâncias. As circunstancias não ditam nada sobre a sua vida. Não é o quanto você tem hoje no banco, não é o quanto você vai receber no final do mês que dita quem você é, não é onde você mora, o que você veste e como você anda; não são as circunstâncias da sua vida que ditam se você é ou não filho de Deus. A obediência a Deus… Se você obedecer a Deus, Deus te conduzirá a lugares difíceis, a lugares inadministráveis. O cristianismo moderno, hoje, eu fico olhando… Desculpa, gente, eu não sou contra a dança. Dança, dança tipo chula, é bonito. Chula é um negócio bagual. Por que não tem isso nas igrejas? Quer fazer dança nas igrejas? Dança chula! Seria um troço legal. Mas não. Eu estava vendo um vídeo, lá, um molequinho, rapazinho, aquele Yudi do PlayStation, sabe? Se converteu – diz que se converteu -, aí já estava lá dançando em uma igreja e dançando. Dança bem para caramba, sabe? Parece uns negão da década de 80, dançando break. Se você não sabe o que que é isso, não fala comigo. Os caras que andavam com uns rádios assim, oh [faz um gesto como se carregasse um rádio no ombro, ao lado da orelha]. Minha mãe tinha um rádio que brilhava umas luz louca, assim. Mas os caras estão lá, e daí umas pessoas criticaram ele, por ele estar dançando. Disseram: “Estão sendo perseguidos por Jesus”. Ah, para!!! O cristianismo moderno ele virou uma palhaçada comparado com Cristianismo histórico. Um exemplo: vocês viram agora o vídeo daquele molequinho com cabelinho ajeitadinho para o lado, falando sobre quartel, que estavam esperando [tempo demais; ele estava se referindo a este vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=X2x_iAvdfoM]. Quando ele virou, assim, eu falei: “Esse cara é crente”. Eu falei: “Esse cara é crente, esse cara é da tribo e esse cara prega em púlpito”. O jeito que ele virou, assim, já vi aquilo um milhão de vezes. Daí dito e feito: me mandaram o Facebook dele, o cara é o quê? Crente. Esses são os tipos de homens que as igrejas estão gerando: o Yudi do PlayStation e aquele carinha ali. Mulheres, que Deus abençoe vocês. “Ah, mas ele é feio…”. Casa com ele. “É homem?”[, eu pergunto.] “É homem, pastor”[, a interlocutora imaginária responde.] Casa com ele. Casa com ele.

inária responde.] Casa com ele. Casa com ele. A obediência vai te conduzir a dificuldades. Paulo vai dizer a Timóteo que todos aqueles que querem viver uma vida piedosa padecerão perseguições [2Tm 3.12]. Você vai passar por tempestades em sua vida, só que nota uma coisa comigo aqui. Verso 24 de novo: “Enquanto isso, o barco já estava bem longe da terra e era sacudido pelas ondas, pois o vento era contrário”. Eles estão sendo sacudidos. Você tem que levar a Bíblia a sério; quando a Bíblia diz: “O barco está sendo sacudido pelas ondas”, não é uma onda da Record. Não é. Não é. Os demônios… Desculpa, o Macedo é gente fina, tá? Fica tranquilo. É que eu falo isso e vem alguém visitar a igreja e era da universal, as pessoas ficam bravas, não voltam mais, ficam indignados. Então não estou atacando o Macedo. Eu ataco ele, mas agora não estou atacando. Então, assim, não é as ondas da Record. Os demônios da Bíblia – o cara se endemoninhou, não é os demônios da Record (Record e Universal é a mesma coisa, é uma falsidade). Então assim, tipo, não é. Se a Bíblia está dizendo, no verso 24, “que o barco era sacudido por ondas”, é porque era algo muito sério. Se a Bíblia fala muito, era muito. Ela não desperdiça palavras. Só que olha comigo: o barco está sendo sacudido pelas ondas. Volta um versículo comigo, aqui verso 23: “Tendo-os mandado para casa…”, que que Jesus fez? Ao anoitecer ele estava ali, os discípulos estão passando pela maior crise da vida deles num ambiente que eles estavam acostumados. Naquele mesmo momento, o que Jesus estava fazendo? Jesus está orando. Enquanto os discípulos estavam sendo sucumbidos, Jesus estava intercedendo por eles, porque Jesus é o nosso pastor, e ele é nosso sacerdote; ele intercede por nós. Eu não estou dizendo que você não vai passar por crise. Você vai passar; o povo de Deus passa. Eu me lembro agora da semana retrasada, quando a Talita estava no hospital, e foi um inferno. E, num dado momento, a minha esposa estava chorando, gemendo, urrando de dor. Já haviam dado um remédio, já haviam dado outro, e a dor não passava, não passava. E eu sentado ali, porque aquilo ali é um ambiente, não é um ambiente, para homem, que envolve dor, porque mulher ela é projetada para sentir muito mais dor, sabe? Já não sei se tua esposa é que nem a minha, mas a minha pega os negócio a 360° [de febre] com as mãos assim, oh [faz uma cara de doente, caído], e eu vou tocá-la, “que isso? Isso aqui está quente!” E ela, “que tá quente, nada…”. As mulheres têm um troço. Ela é um bicho ruim; cuidado. E se a minha esposa estava reclamando, não: então tá morrendo! Eu me apavorei! Eu nunca, [nesses} 13 anos de casados, nunca vi ela daquele jeito. E eu comecei a chorar, cara, naquele momento, ali. E eu não sabia o que fazer, e eu pedindo oração para todo mundo, pedindo, pedindo oração, e teve um momento que eu queria gritar dentro daquele hospital, de desespero, de olhar a minha esposa passando por aquilo. E eu me lembro que eu estava na beira da cama, e ela deitada; e teve umas duas, três vezes que eu achei: morreu. Morreu! Era tanto cansaço para expelir um saco gestacional que, às vezes, parecia que ela quase semi-morria. E eu na beira da cama. E uma hora eu peguei, assim – a cama dela era alta-, eu peguei e enfiei minha cara no colchão, assim. Era grande, a cama, e eu comecei a chorar assim, segurando para não chorar alto, e eu me lembrei, naquele momento, que a igreja estava orando. Aí aquilo me trouxe uma alegria, mas, num dado momento, o Espirito Santo me lembrou de Hebreus 7, e veio, assim, como uma bomba! “Ele vive sempre para interceder por eles”. Eu me lembrei que, naquele momento, naquela hora, ainda que ninguém estivesse orando, ainda que nem eu estivesse orando, Jesus estava orando. Jesus estava intercedendo! E ele fala as palavras de forma perfeita, porque ele é a Palavra de Deus, porque ele é o Verbo incarnado. E daí as minhas lágrimas de tristeza começaram a se misturar com lágrimas de alegria, e eu estava ali. Ela continuava reclamando de dor, mas dentro do meu coração estava uma fé, naquele momento, inabalável! Algo dizia dentro de mim: “Vai, isso vai acabar. Vocês vão sair dessa”. E eu comecei a chorar de alegria. Por quê? Porque Jesus intercede pelo seu povo. Não quer dizer que seu povo não passe por esses problemas.

Enquanto os discípulos estão sendo açoitados pelas ondas, Jesus está orando por eles, porque Jesus é o sacerdote que intercede pelo seu povo. Vocês sabem disso. Vocês sabem disso. Você precisa ter uma visão exaltada de Jesus, você precisa saber que Jesus tem o mundo, a História em suas mãos! Qual foi a tempestade da tua vida que fez você talvez se arrepender de caminhar com Jesus? Quando você passa por adversidades, você questiona Jesus? Você questiona: “Por que, Senhor? Por que comigo?”? Você já pensou isso: “A minha vida não poderia ser como a do fulano, como a do beltrano? Por que comigo, Senhor? Por que eu que tenho que passar por essas coisas? Com tanta gente, por que eu?”? Sabe por que que você pode vencer o medo? Você pode vencer o medo porque é Jesus quem conduz a sua vida. Em primeiro lugar, grave isso na sua cabeça, é Jesus quem conduz a sua vida.

Em segundo, você pode vencer o medo porque Jesus vem sempre até nós. Verso 24: “Enquanto isso, o barco já estava bem longe da terra e era sacudido pelas ondas, pois o vento era contrário”. Verso 25: “Já alta a madrugada, Jesus foi até eles andando sobre o mar”. Oh, Jesus, existem sofrimentos que são desesperadores! Paulo diz isso em 2 Coríntios 1 verso 8, ele vai dizer assim: “Olha, não quero que vocês ignorem o que eu passei na Ásia, porque era sofrimento maior do que as nossas forças. Algo que fez nós desesperarmos da vida!” Ou seja, Paulo pensou: tem que morrer. Talvez os discípulos estavam naquela situação e, no meio de tudo aquilo, eu não acredito que Tiago disse: “Hey, só um pouquinho”. [O interlocutor responde:] “Que que foi Tiago?” [Tiago novamente fala:] “Só um pouquinho, lembra de Isaías?” [O interlocutor pergunta:] “Que Isaías, Tiago? Cala a boca”. Eles deveriam se lembrar de Isaías 43.2: “Quando passardes pelas águas, eu serei contigo; quando passardes pelos rios, eles não te faram submergir; quando passardes pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti”. Você vai passar pelas dificuldades, mas elas não vão consumir você. O povo de Deus não é consumido, não é destruído pelas adversidades. A gente passa, mas passa diferente do que o ímpio. Ah, mas os cristãos não morrem! Então eles herdam uma pátria superior, depois os seus corpos são ressuscitados. As adversidades não destroem o povo de Deus, as adversidades não destroem a igreja, porque a igreja não é somente nós, que estamos vivos; somos nós, os vivos, e os mortos: a comunhão dos santos. Assembleia do Eterno Deus, bondoso Deus! Somos todos nós! Hebreus 12 diz isso. A morte não destrói a igreja. Pode destruir a igreja visível[, mas não a Igreja invisível, a Igreja Universal]. Não seremos consumidos pelas adversidades. Você vai passar! Isaias está nos dizendo essa manhã: “Hey, Vintage, escute! Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando passares pelos rios, eles não te farão submergir; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti. Escute isso! Lembre-se: nas adversidades da vida, Jesus vem até nós”.

Por que que Jesus vem andando sobre as águas? Jesus vai até eles. Eles estão em adversidade. Jesus não é um Deus distante; ele é um Deus presente, ele é Deus conosco, ele é um Deus de perto. Por que que Jesus vai andando sobre as águas? Porque aquilo que causa medo nos discípulos está debaixo do domínio de Jesus! Jesus pisa sobre os nossos medos! Os nossos medos, eles são um meio pelo qual Jesus vem pisando e andando até nós. Os nossos medos, eles são um caminho onde encontramos Cristo, onde encontramos Jesus. Eles estão com medo; é literalmente do mar. Então é sobre o mar que Jesus vem andando! Jesus precisa pisar sobre o mar, caminhar sobre o mar, para mostrar para os discípulos: “Hey! Calma! Eu tenho o controle disso aqui! Nada, nenhuma gota dessa imensidão desse mar, de todo esse mar, nenhuma gota está agindo de forma aleatória! Está debaixo do meu domínio e dentro do meu controle! Está nas minhas mãos!” Jesus tem o controle.

Jesus estava mostrando que aquilo que nos apavora, aquilo que nos traz medo, serve para nos aproximar de Jesus; é fantástico, isto! Como os nossos medos nos empurram pra Jesus. Você já notou isto? Toda a sua história, toda a angústia que você já passou, como isso empurra você para o Senhor. Jesus vem dizendo no verso 27: “Jesus, porém, falhou-lhes imediatamente: tende…” o quê? Verso 27: “tende… Vençam o medo!” E ele diz: “Sou eu, não tenham medo! Não temais!” ou “Eu Sou, Eu Sou”. A presença de Jesus é o antídoto pro nosso medo. Quando vierem medos pra sua vida esta semana, e eles vão vir, quando vierem sobre a sua vida este mês, e eles vão vir, você precisa lembrar que Jesus está conosco, você precisa lembrar que Jesus está presente. Depois da queda, você e eu nos tornamos medrosos. O medo é consequência natural em nós. O medo deles é infundado porque eles estão com medo da criação, só que, sobre a criação, existe o Criador, sobre a criação… João vai dizer que todas as coisas foram feitas por intermédio de Jesus e sem ele nada do que foi feito se fez [Jo 1:3]. Jesus é o Criador. Os nossos problemas estão debaixo de Jesus. Talvez eles esperassem que Jesus socorresse eles, chegasse com um barco motorizado: (zuummm) “Ei, cambada de sem-vergonha, entra aí!” Jesus sempre tira uma carta da manga, mesmo. Pô (zzzzzumm), e sai assim, com o barco motorizado. Não! Deus tem os seus meios.

Os recursos desses caras acabam. Nota isto aqui; eles estão andando no barco, os recursos deles se acabam. Acabou! Acabou! Só que quando os teus e os meus recursos se acabam, os recursos de Deus continuam; os recursos de Deus são ilimitados. Eles são ilimitados.

Jesus mostra que ele é mais importante que os nossos recursos. Poucos. Você acha realmente que Jesus não se importa com você? Você acha, realmente, que tudo que você passou na sua vida, na infância, não era o Senhor guardando você? Você acha que você estava lá sozinho? Acha que Deus não estava guardando você, ó, há muito tempo? Como bom calvinista eu creio que nós fomos eleitos em Jesus desde a eternidade. Desde a eternidade Jesus já guardava a gente. “Onde eu estava antes, então, Jackson?” – A pergunta de Jó. Nós estávamos na mente de Deus. Você e eu já estávamos na mente de Deus a 100, 200, 300 anos, e Deus estava pensando em você em amor. Os pensamentos do povo dele são de paz, são de bênção. Você realmente acha que Jesus não ama você? Confia em Jesus, confia em Jesus! Ele é amoroso, ele contribui para sua igreja amada. Você sabe que você pode vencer o medo porque Jesus vem até nós; Ele é o Deus Conosco no momento onde tudo está cooperando para o mal.

E último, terceiro: você pode vencer o medo porque Jesus não despreza nossas orações. Verso 30: “Mas, ao perceber o vento, teve medo e, começando a afundar, gritou: ‘Senhor, salva-me!’” Pedro é demais! Pedro tá ali, olhando, e, de repente, Jesus vem. Ele tá desesperado. “Ô, Jesus! Ô, Senhor, Jesus! Se é o Senhor, deixa eu ir até aí!” E Jesus: “Bora! (versão Jack!) Bora, negão! Vambora!” E Pedro botou o pé: Pum! As pessoas dizem: “Não, veja bem” – os inteligentinhos, sabe? – “veja bem, é que ali onde Jesus estava era um local raso, era um local raso…” Um barco construído por homens! “Mas é um local raso, veja bem, veja bem…” Sabe o “veja bem”? E Pedro sai caminhando. Pedro dá o primeiro, o segundo passo, e a Bíblia diz que o vento chama mais a atenção de Pedro do que Jesus. E Pedro olha pro vento, pras ondas, pra tudo, e ele começa a afundar; e quando ele tá afundando, água entrando pela boca, ele tá afundando – quem aqui já se afogou sabe como é que é o negócio -, e ele tá afundando, desespero, e… A pessoa que tá se afundando fica um louco! Tinha que ter um jeito de chegar assim e dá-lhe um soco em quem tá se afogando pra pessoa se acalmar, e depois tu salvar a pessoa, porque assim, a pessoa fica um louco e ele tá desesperado e ele diz essas duas palavras: Senhor, salva-me! Jesus não despreza a oração de gente fraca; nunca é tarde para orar.

Ele deveria ter orado antes? Sim! Sim! Ninguém nega isto Ele deveria ter tido mais fé? Sim! Ninguém nega isto! Ele deveria ter confiado no Senhor? Sim! Ele faz uma oração, curta e direta. Como diz Spurgeon, uma oração saturada de sã doutrina. Ele sabia que não tinha nada nele que o podia salvar! Ele sabia: Eu tô ferrado! Eu tô desgraçado! Ele confessou Jesus como Senhor e Salvador: “Senhor, salva-me!” Eu não sei se Jesus estava ali com uma roupa de salva-vidas. Jesus é o primeiro salva-vidas da história. A questão é que nós não podemos ir até Jesus se não reconhecermos que não há outra saída, que você aqui nesta manhã está igual Pedro! Você não tem como chegar até Deus se você não se desesperar e você entender que você não tem saída. “Ah, mas eu posso fazer isto…” Não, não! Então não dá! É que nem pro ministério: Spurgeon perguntava pros caras que estavam fazendo entrevista, ali, pra serem obreiros na escola de Spurgeon, e Spurgeon começava a fazer a entrevista, e a primeira pergunta que ele fazia é: “Ah, me diga uma coisa, você se vê fazendo outra coisa?” E os caras, pra impressionar Spurgeon: “Ah! Com certeza, eu sou muito eclético”. Quem aqui viu o Ídolos sabe: você consegue cantar outro tipo de música? “Sim: quem samba com o molejo samba diferente”. Vocês lembram dessa aí, vocês não lembram? O cara entrou cantando ópera no Ídolos e daí os caras diziam: “Mas tu só canta ópera?” [Ao que o candidato respondia:] “Não, eu sei cantar, também, música popular brasileira”. Aí canta com voz de ópera: “quem samba com o molejo samba diferente”. Mesma coisa os caras faziam com Spurgeon: os caras chegavam pro Spurgeon, pra querer impressionar ele: “Não, Spurgeon, veja bem, eu posso ser um advogado, eu posso ser um juiz, eu posso ser um professor, eu posso ser um médico…”. E ficavam querendo impressionar Spurgeon. Daí Spurgeon dizia: “Não, velho, de boas, falou, não tu não serve pra nós”. O cara, também, que tinha ombros estreitos também não servia porque tinha pulmões pequenos. “Ah, que é isto?!”. É a escola do Spurgeon, irmão, tatua! É do Spurgeon, as regras eram dele! Ele dizia que quando Deus quer fazer um pregador, Deus dá pulmões grandes pra ele, porque quando Deus quer fazer um corredor Deus dá pernas grandes pro corredor. Você nunca viu um, né, um anão, um cara, ganhando nos 100 metros rasos… Não vê, né?! “Ai, que horror! Tem que ter inclusão social”. Não tem isto, não tem isto! Não tem. Os caras são uns quenianos com as pernas deste tamanho, maiores que as da Cláudia Raia, entendeu? É umas pernas grandes, enormes. Os caras, pra entrar no ministério, eles têm que ter isto; tem que entender. “Não, eu não consigo ficar longe disto aqui, eu não consigo”. O reino de Deus é a mesma coisa. Você não consegue, você não consegue estar no reino de Deus se você não admitir que você não tem outra saída, que você está morrendo, que você está afundando…Você não consegue. Pedro está desesperado, ele não tem outra saída, ele reconhece. A boa notícia é que Jesus ouve gente desesperada! A boa notícia é que Jesus ouve gente que está angustiada. Quando Pedro percebeu que estava afundando, o que que ele fez? Ele recorreu a quem? A Jesus. Quando você nota que tá afundando, você recorre a quem? Você recorre ao hobby? Desculpa, gente, desculpa; o hobby tem a sua importância. Tem. Um prazer, um filme, uma série, tudo tem o seu lugar. Mas nós, a nossa geração, tem pecado muito nisto, porque nós não recorremos ao Senhor em oração quando vemos tudo desabar ao nosso redor. Você só consegue se fortalecer em Jesus. O próprio Senhor Jesus passava por todas as coisas e ele ia orar, porque ele precisava orar, ele precisava buscar a face do Senhor! É por isto que Pedro, na sua carta, em I Pedro diz, no capítulo 3, verso 12: “Porque os olhos do Senhor estão sobre os justos, e os seus ouvidos atentos a sua súplica”. Pedro foi direto ao assunto, ele falou: “Senhor, salva-me!” Ele precisa disso. Pare de fazer… Às vezes as pessoas vão orar… Eu fico louco com isto! Os nego vão orar, nós estamos orando junto, as pessoas fazem uma volta pra falar. Quando você for confessar o seu pecado, fale o nome dele, chame o pecado pelo nome: “Senhor, eu fiz isso, eu sou isto, eu tenho cometido este pecado”. Pare com isto: “Senhor, perdoa os meus pecados…”. Para com isto, negão! Isto é só a introdução, isto é só o prato de entrada. Chame o seu pecado pelo nome: “Senhor, eu tenho tido desejos assim, meu coração é isso, eu tenho ira, eu tenho raiva, esta semana eu quis matar quinze; obrigado, Senhor, porque semana passada foram vinte, o Senhor tem moldado a minha vida”. Confesse. Fale direto o que você pensa e o que precisa. Você acha que Jesus não ouve suas orações, você acha que suas orações são muito curtas? Eu não tô, aqui, advogando, negão, que tu tem que pegar, só dar ‘bom dia’, ‘boa tarde’, ‘boa noite pra Jesus’. Mas eu tô dizendo que antes de você fazer grandes orações, você vai começar com orações curtas. Aí suas orações vão aumentando. Por exemplo, aqui tá o Letiére. Quando eu conheci o Letiére, eu mal tinha papo com ele, aí a Talita dizia: “Vamos lá na Valéria”. [Ao que eu respondia:] “Ah, não, amor, eu não tenho papo com o Letiére, não tenho papo com Letiére, não tenho…” [Ao que a Talita replicava:] “Ah, amor, vamos na Valeria…” – porque todo mundo tem papo com a Valéria; não como não ter papo com a Valéria. Daí eu dizia: “Não, não tenho papo, chegar lá o Letiére vai ficar…” Mas aí nós fomos conversando, conversando… Nossas conversas foram aumentando, foram aumentando. Daí, quando surgiu assim: “Cara, vamos passar sete dias com Letiére”, eu fiquei muito feliz! Vai ser fera, não sei o quê, a gente ficava conversando e  rindo… Falando disto e daquilo outro. Por quê? Porque eu já tinha intimidade com o Letiére. Assim é com Jesus. Talvez você tá orando pouco. A minha pergunta é: As tuas orações têm aumentado? Você tem tido mais intimidade com Deus? Porque a vida devocional tem uma parte, pelo menos comigo tem sido assim, nos meus primeiros anos de caminhada cristã eu tinha muito medo da minha performance diante de Deus quando eu ia orar. E eu tinha muito medo de orar tantos minutos; eu cronometrava em oração. Hoje, quando vou orar, quando levanto eu tenho vontade de continuar orando, de continuar orando e eu tenho certeza que se eu continuasse orando, se não tivesse que sair dali, continuaria orando. Mas isto não aconteceu no primeiro dia de crente, isto não aconteceu no primeiro dia de cristão, isto, quanto mais eu vou lendo Salmos, quanto mais eu vou lendo a Escritura, essa comunhão vai aumentando, naturalmente. Então meu convite pra você é este: que você vá aumentando sua comunhão com Deus diariamente. Mas pra vocês que possuem oração curta, como a minha, ainda, pra vocês que oram de forma curta durante o dia, ainda, eu quero dizer pra vocês que Deus está atento a orações curtas também. As orações das Escrituras são todas curtas e o Senhor ouve essas orações também. Você tem vergonha de recorrer a Jesus? Você acha que Deus só ouve pastor, é sério? Deixa eu te contar um segredo aqui essa manhã. Pastor é igualzinho a você, igualzinho. Igualzinho, igualzinho. Tem gente que acha que o pastor é um superhomem; não é! Se enfiar uma faca sai sangue. O peido do pastor é fedorento, não é cheiroso. Sério. Pastor é igualzinho a você. A gente tem essa mentalidade católica… “Não, mas se for o homem de Deus que for orar…!”. Negão, tu é o homem de Deus! Minha irmã, tu é a mulher de Deus! Para de me chamar pra orar pela tua mulher; é tu que tem que orar pela tua mulher. Minha irmã, é tu que ora pelo teu marido, pelos teus filhos. Eu pergunto aqui se há algum não cristão em nosso meio, ou alguém que vai ouvir esse sermão depois, você vai recorrer a Jesus hoje ou vai deixar pra quando não conseguir mais? Você sabe se você vai ter amanhã? Você sabe se essa não é a sua última oportunidade? Muitos ficam dizendo: “Ah, não… Quando eu ficar velho eu vou recorrer a Jesus; quando eu estiver doente, morrendo…” Só que muitos não conseguem chegar até Jesus. E estava caminhando, tomou um tiro: Pu! Morreu. Deu tempo? Teve como? Você sabe se você vai ter outra chance? Interessante que você e eu somos como Pedro, aqui. Nós temos uma fé misturada com incredulidade. Nossa fé é misturada com incredulidade, você já notou isso? Você já notou? A nossa fé é assim. Pedro tá lá, ele olhou Jesus, ele olhou os discípulos, os discípulos: “Não, não vai!” Tão apavorado. Aí Pedro: “Ô, Jesus, posso ir aí?” Jesus: “Vem aí!” Pedro botou, puf! Vai fazer um moon walking ali no mar. Aí ele viu um cara de fé e os bananão ali no barco, ali. “Ai, que legal!” Ninguém foi depois, ninguém foi. Ninguém. Aí começou a ver os negócios, o homem de muita fé, começou afundar, puf! – Homem de pequena fé. Jesus diz: “Cara, tu tem pouca fé!” Jesus deu a mão pra ele, ali, ele deu a mão pra ele – tenho certeza, como gaúcho dá a mão, sabe? -, pegou o antebraço de Pedro, Pedro pegou o antebraço de Jesus, e ele puxou. Eu tenho certeza que Jesus disse: “Vem, quera! Vem, xiru!” Tirou Pedro dali, olhou pra ele, foram pra o barco de novo. Aí Jesus mutou o mar. Mute! Puf! Fica quieto! Aí, talvez, os caras estavam dizendo assim: “Olha aí, Pedro! Afundou”. Daí o Pedro diz: “Mas só eu caminhei, só eu caminhei; e vocês? Só eu caminhei”. Nós somos como Pedro. Você não é assim? A tua vida tem altos: “Nossa! O cara tá um furacão! É jejum, é oração, é Bíblia, é um avivamento só! É culto de domingo, é GC! É nóis!”

A boa notícia é que Jesus morreu por ti assim. Jesus não só morreu, ele viveu uma vida. Perguntavam pra Jesus: “Como é que tá, Jesus?” [Ao que ele responde:] “Olha, sofrimento, angústia tá sobrando, mas a gente tá firme em Deus. Por quê? Porque eu sou Deus. Eu tô firme em Deus, tô firme no Pai.” Mas Ele também é homem e a vida Dele foi uma vida constante de devoção, uma vida crescente. Hebreus disse que Ele aprendeu. Nossa! Um Deus que aprende e é humilde, que a gente pode ir até Ele. Por isso que a gente pode se achegar diante Dele. Por que é um Deus que aprende, é um Deus que sabe todas as coisas, mas se esvazia e vem aprender; é um Deus que a gente pode se achegar. Jesus vive uma vida que você não viveu, Jesus morreu a morte que você deveria morrer, e a boa notícia é que Jesus ressuscita depois de tudo isso, ainda. Jesus ressuscita dos mortos vencendo o maior medo. Qual que é? A morte. Jesus vence a morte. Depois de vencer a morte, Jesus aparece vivo para os discípulos e Ele vai dizer para os discípulos de novo: “Não tenham…” o quê? “Medo”. Não tenham medo. Ok, Jackson, Jesus me perdoa mas e depois daqui eu vou continuar com medo? A boa notícia, o fantástico do Evangelho… Olha pra mim aqui! Presta atenção! Aqui tá o Ismael. O Ismael está com as suas nádegas sentadas nesse banco, nessa cadeira afrodescendente, preta. Tá sentado aqui! Ele não tá fazendo nada. Ele tá só sentado com a Bíblia aberta me olhando com uma cara de paisagem. Vai perder a barba, né Ismael? Estamos tristes junto contigo. Estamos tristes, Ismael! Mas vai casar! Vai casar! É Kauê, tua família vive milagre constantemente. Tá aqui, o ato de ouvir o Evangelho, ele é um ato passivo. Por que que Deus escolheu se comunicar…Tô terminando gente! Porque assim, alguém se levanta no povo de Deus e prega o Evangelho, o resto tá sentado, é passivo. Pro mundo isso é muito estranho. “Ah, não posso participar, sabe.” A pessoa está sentada. O ato de ouvir o Evangelho demonstra, retrata, remonta, aponta para o agir de Deus, para o agir monergístico de Deus, o agir único de Deus. Por exemplo, a vida de Deus, ela flui de um lado, ela flui de nós pra Deus, ela fui de Deus pra nós. Então sabe qual é a boa notícia? Não é só – você vai entender – não é só que Jesus morreu por você e Ele perdoou os teus pecados passados ou que Ele viveu no teu lugar e ressuscitou por você; a boa notícia aqui é que a Bíblia diz que a fé vem pelo ouvir e ouvir a palavra de Deus [Rm 10.17]. A Bíblia diz que conforme eu vou ouvindo o Evangelho, o Espírito Santo vai transformando a minha vida. Você pode ter certeza, talvez essa semana não seja tão boa na sua vida, mas talvez você vai sair daqui diferente. Deus vai fazer algo na tua vida, nem que seja um miligrama de mudança na sua vida espiritual. Deus está fazendo agora, porque a fé vem pelo ouvir e o ouvir a palavra de Deus. Porque Deus diz através do profeta Isaias: “A minha palavra não volta vazia”, ela vai cumprir os propósitos que precisa cumprir. Então, Jesus morreu na cruz, não, antes, Jesus viveu uma vida que você não podia viver, Jesus morreu na cruz e ressuscitou. Ok, mas eu preciso de uma transformação, então o Espírito Santo pega a pregação, pega o Evangelho que é pregado e aplica isso na tua vida, e começa a mudar a tua vida. Então, o Filho, Espírito Santo e o Pai, e o Pai envia a gente em missão através do Filho. Você é enviado em missão.

Eu quero saber uma coisa aqui essa semana, o mundo está pingando demônio, o mundo está pingando pecado. Cê vai falar desse Jesus pra quem essa semana? Você vai pregar o Evangelho de forma intencional pra quem? Pra quem? A sua vida é uma vida missional? Sim ou não? Ou você só está pensando em se safar? Porque Pedro é o cara que é arrancado das águas para se tornar um missionário, pra se tornar um cara que vai ser morto por pregar o Evangelho. Minha pergunta é: “Hey, missionário! Vamos apresentar o que aqui nesse ano? Se você fosse apresentar os teus Power Points, tuas fotos da missão, como foi teu ano pregando o Evangelho.” “Ah, pastor, mas eu tenho medo!” Chega em casa e vai ouvir este sermão de novo. Tá bom? Amém? Tem medo de pregar? Chega em casa e coloca no SoundCloud lá e ouve esse sermão de novo. Jesus vence o medo por nós, você tem que pregar o Evangelho. Amém? Vamos ficar de pé, vamos orar. Quero chamar o pastor Rafael Ribas pra orar por nós, aqui. Peço que vocês fechem os olhos, fechem os olhos.

[Rafael Ribas:] Irmãos, antes de orar, tem que pregar, né, um minutinho só. Eu queria dizer pra vocês que, às vezes, não sei se aconteceu isso com vocês, já, mas, comigo, muito. Por sermos calvinistas, quando nós vamos orar, nós pensamos muito na vontade de decreto de Deus. Nós pensamos: “Será que Deus decretou ou não aquilo que eu estou orando? Será que eu devo orar por algo que Deus não decretou?” Então, como eu devo orar? E aí nós nos apegamos àquela palavra que Jesus disse que quando a Bíblia fala que quando Ele orou no Getsêmani, Ele orou: “Pai, não seja feita a minha vontade, mas a Tua.” Mas se esse é o modelo de oração pra gente, então nós só vamos orar isso sempre: “Senhor, seja feita a tua vontade e não a minha sobre isso, Senhor, seja feita a tua vontade e não a minha sobre aquilo.” Aquela oração no Getsêmani, especificamente, apenas e tão somente serve para mostrar a humanidade de Jesus, porque quando Ele nos ensina a orar, que é o texto claro sobre isso: “Senhor, nos ensina a orar.” Ele fala: “Senhor, seja feita a tua vontade, aqui na Terra como ela é feita no céu.” E no céu não existe pecado, né? Qual é a vontade que Ele pede na oração do Pai Nosso? “Senhor, que venha o teu reino e se faça a tua vontade.” No Reino de Deus não tem dor, no Reino de Deus não tem morte, no Reino de Deus não tem medo, no Reino de Deus não tem miséria. Essa é a verdadeira oração dos filhos de Deus. Nós precisamos sempre e tão somente sempre a vontade de prazer de Deus. Qual é o prazer de Deus quando uma pessoa está enferma? Que ela seja curada. Qual é o prazer de Deus quando uma pessoa está desviada? Que ela volte aos caminhos do Senhor. Então quando nós oramos a Deus, é sempre sobre a vontade de prazer de Deus, aquilo que explicitamente, na Palavra, Ele tenha alegria em fazer pro Reino Dele vir. Então eu queria te desafiar a essa semana pegar um papel, colocar uma lista de tudo que você tem medo, dúvida, anseio, complexo, crise, qualquer coisa, coloque tudo e ore sobre isso tendo certeza que a vontade de prazer de Deus é cumprir aquilo e resolver aquilo, por que é a vontade Dele. Agora, se Deus, nos decretos Dele… Isso não convém a nós: orarmos segundo aquilo que Deus decretou de forma obscura; convém a nós aquilo que Deus revelou que é o prazer Dele nós orarmos. Por isso que Jesus repreende os discípulos: “Vocês têm pouca fé”; “tende bom ânimo”; ou seja: “Creiam na minha bondade, é o meu prazer. Se vocês são pais, sabem dar boas dádivas, quanto mais o vosso Pai Celeste.” Nós não podemos ter dúvidas da vontade de Deus, nós não podemos ter dúvidas que Deus é muito mais bondoso que nós, que Deus ama nossos filhos muito mais do que nós, que Deus ama nossas esposas mais do que nós. Que Deus se importa conosco muito mais do que nós mesmos. A nossa igreja, lá em Santa Maria, tá num propósito firme sobre isso, e os irmãos estão orando e jejuando por tudo, por tudo que eles há muito tempo não oravam, acreditando que, confiando que Deus é bom, Deus nunca faz menos. Naquela noite ali que o Jack tava com a Talita, tava falando com ele no Whats e eu disse pra ele: “Jack, Deus nunca nos dá menos do que nós pedimos, sempre mais.” Parece algo triunfalista, mas não é, não é. Deus sempre nos dá o que pedimos ou infinitamente mais do pedimos ou pensamos segundo o seu poder que opera em nós, e parece que a igreja de confissão calvinista ela tem um pouco… Ela não acredita nisto, sabe? Ela tem… Ela fica com dúvida, fica com aquele negócio “será que Deus decretou?” E eu queria desafiar vocês a acreditar na bondade de Deus. Essa é a fé de Abraão, né? Se Ele nos deu o Único Filho, se Ele nos deu o Único Filho, não nos dará juntamente com Ele todas as demais coisas? Nós precisamos acreditar na bondade de Deus.

Vamos orar, irmãos! Senhor Deus, aqui está o teu povo, Senhor, as tuas ovelhas, teu rebanho, teus amados filhos, teus filhos, tais quais teus olhos são todos os segundos, Senhor, desde a eternidade, olhando para eles com um coração de amor, com um coração que deseja todo o bem dos céus e da terra, com o coração que ama-os tanto, Senhor, a ponto de dar seu Único Filho e destruir a morte, o pecado e o inferno, Senhor, sobre a vida deles, Senhor. Aqui está teu povo marcado e escolhido pelo teu amor, Pai, ao qual o Senhor deu o seu Único Filho, Senhor, para que também, Deus, a tua natureza fosse real na vida dos teus filhos. A tua santidade, a tua incorruptibilidade, Senhor, a tua imortalidade, Senhor, a tua eternidade, tudo o que o Senhor é. Está sob nós o teu espírito, Senhor e nós pedimos e nós clamamos a Ti, Senhor Deus, que daqui se levante um povo que crê, que daqui se levante homens e mulheres que oram, oram intencionalmente, oram de forma perseverante, de forma persistente. Oram confiados em um Deus de bondade, como quando Abraão teve o coração aliviado por não ter que entregar seu único filho, naquilo que era o seu maior medo, porque ele compreendeu que prefere um Deus que dá o Seu Filho, ao invés de tomar as coisas que são nossas, ao invés de destruir nossos sonhos, nossos anseios que glorificam o teu Nome. O Senhor tem prazer em dar o Seu Filho para se realizar em nós, as nossas alegrias, que nós tenhamos fé na tua bondade, que nós venhamos a entender que o Senhor é Santo, totalmente outro, infinitamente maior, infinitamente melhor, infinitamente, nos ama muito mais do que nós, Senhor. E que nós possamos, a partir de hoje, orarmos com vontade, Senhor, orarmos de forma perseverante, Senhor Pai; que o Senhor nos dê esse Espírito, Senhor Deus. Que essas pessoas, que esses seus filhos que estão aqui hoje, tenham a paciência de passar horas contigo em oração, Deus. Horas contigo em oração, com alegria, pegando cada promessa e confiando, Senhor. Que o Senhor tenha prazer em cumprir cada uma delas. Em nome de Jesus, Senhor! Estende tuas mãos sobre este povo e os abençoa, Pai. É isso que eu te peço. Amém.

 

Pastor Jackson Jaques

11 de fevereiro de 2018